Amor gótico e divertido na Amapô

Não é por acaso que a Amapô vem fechando a semana de moda de SP há algumas edições; A dupla Carô Gold e Pitty Taliani levantam a plateia sempre com suas trilhas sonoras animadas e suas roupas pra lá de criativas e até um pouco ousadas. Desta vez o “lado macabro” com teias de aranha, morcegos, estilo gótico e, por que não, super romântico veio à tona.


O tema “Amapô Romantikah” aborda o amor sim, mas também o lado fetichista, punk, o mood andrógeno que tanto vimos nas passarelas de moda, os looks moderninhos e também comerciais que a marca sabe fazer muito bem. Estamos falando da famosa calça flare de cintura alta que deixa o corpo “perfeito e elegante”. Elas estão presentes no Inverno da Amapô e surgem também em lindas versões em veludo ou na sarja em cores vivas como o azul e o vermelho. Ainda no jeans destaque para as estampas que remetem à arabescos estilizados com caveiras que também incrementam os bolsos traseiros, além da sarja no branco e preto. Lindo o trabalho em lavanderia no trench coat masculino com manchas de tinta e desenhos em diferentes cores. As modelagens passeiam entre as flares, skinnies e calças retas, além de blazers slims e casacos com ombros pontiagudos para os meninos.


O primeiro look do desfile foi um sobretudo com aspecto resinado e acabamento plissado produzido com o brim Cher, da Vicunha. O artigo fez dupla com camisa no denim Parker em uma perfeita composição double black, além de ganhar destaque na aberta do desfile, o brim de acabamento Lustrous Leather da Vicunha apareceu em outros modelos-chave da coleção. Calças skinnies com trançados, jaquetas com cortes que remetem a asas de morcego e cinturas bem marcadas – tudo em preto e branco – foram as apostas das estilistas para o artigo com aspecto de couro.


Teias de aranha ressaltam o aspecto artesanal em diferentes looks, o couro faz parte da estética gótica juntamente com ombros volumosos e detalhes de ilhoses. Na passarela muitos amigos da noite paulistana que foram aplaudidos de pé. Ao contrário dos modelos de Ronaldo Fraga que ficaram deitados nas camas dispostas na sala de desfile, na Amapô eles não voltaram para a boca de cena, saíram pela porta principal.