Cavalera traz seu streetwear de protesto para a passarela

Cavalera, de Alberto Hiar, sempre passa uma mensagem em seus desfiles e, desta vez, muito mais do que apresentar roupas a discussão gerou em torno do tema “Skate, Punk, Jamaica no País do Futebol”. A marca apresentou sua nova coleção na 48ª edição do São Paulo Fashion Week.

“O futebol é irônico, porque é a única maneira como a gente é visto.” A marca levou para a passarela, pela primeira vez, um homens trans e 80% de modelos negros ressaltando a importância de se abordar as minorias sociais, além de interpretar todos esses movimentos que unem diferentes pessoas, gêneros, raças e faixas etárias.

Sob assinatura de Léo Bronks e Emerson Timba (stylists de MC’s do funk), a coleção trouxe o streetwear característico da marca com pitadas do punk, do skate e referências da Jamaica. Dessa miscelânea surgem muitos tecidos tecnológicos com toque de nylon ou plastificados no preto e cores que remetem ao tema com verde, amarelo e vermelho. Estampas de nuvens em diferentes tonalidades permeiam peças confortáveis e urbanas como as calças com argolas e faixas, além de detalhes como os bolsos.

O aspecto empapelado surge em modelos utilitários com recortes e zíperes funcionais. Sarjas de algodão aparecem em um mix de cores com aviamentação e bolsos aparentes. Há espaço também para as skinnies colors, cinturas clochard e a brincadeira de patches com o nome da marca aplicados em retalhos no denim claro que também surge com fibras aparentes, somente amaciado e aspecto natural, mas sempre com essa pegada street. Destaque ainda para as estampas tribais ou estilizadas e tropicais que podem ser vistas em tops, shorts e vestidos.

Na contramão das marcas que decidem apresentar uma moda mais comercial, a Cavalera, conhecida pelos jeans super bem trabalhados, desta vez investiu na alfaiataria utilitária, desconstruída, mais elaborada. Porém, sem deixar de lado a mistura de elementos, cores e padronagens.

Fonte: Vanessa de Castro | Fotos: Zé Takahashi / Ag. Fotosite