LAB leva a moda da rua para as passarelas

O que chamou mesmo a atenção nesta segunda, dia 24-10 foi a estreia da Lab dos irmãos e rappers Emicida e Fióti, sob direção criativa do estilista João Pimenta no São Paulo Fashion Week. A marca que já tinha se apresentado na Casa de Criadores envolveu e animou a plateia apresentando realmente a “moda de rua” com “pessoas reais” – gordinhos, negros, careca, cabelos afro. Da África à Ásia a coleção Yasuke mescla referências, tradições, mas principalmente histórias muito bem contadas por essa marca inovadora. “Tão urbanos quanto chamar o carrinho de cachorro-quente de food truck, os aglomerados de gente construídos no Brasil (e no mundo) precisavam (e ainda precisam) se fazer ver e ouvir. A Laboratório Fantasma, carinhosamente conhecida como Lab, nasceu no olho desse furacão de tantas vozes, acreditando que espaço e tempo são detalhes sob a responsabilidade do acaso. Nos interessam as histórias.Tudo faz parte de um grande código aberto, onde a partir do momento em que uma música nossa toca o seu coração, ela também passa a ser sua”, afirma Emicida.


Falando da roupa em si, muitas formas amplas, peças funcionais, amarrações, e estampas que remetem aos origamis e ideogramas japoneses além de padronagens tribais. Clássicas frases das músicas do rapper também se fazem presentes em diferentes modelos com foco nas camisetas. Destaque ainda para os quimonos, jaquetas e coletes com capuzes e os moletons como o usado pelo cantor Seu Jorge juntamente com uma saia plissada. Os tons passeiam entre o preto, branco, vermelho e acinzentados. O denim não poderia faltar nessa história toda que vem das ruas, do dia a dia, das comunidades em diferentes partes do mundo. Aqui ele ganha a versão brim com acabamento resinado nos artigos Ypoá e Tech da Vicunha em calças e bermudas amplas com pregas ou alongadas. Há ainda peças em moletom, malha, nylon e algodão. Essa nova coleção que já está à venda no e-commerce da marca reforça o desejo de oferecer uma moda democrática, versátil e inclusiva.


Na passarela Emicida canta ao vivo, mas a imagem que fica mesmo na cabeça é o rapper sentado ao lado da icônica empresária e rainha da moda, Costanza Pascolato, afirmando mais uma vez que na moda não há barreiras e preconceitos. No final da apresentação o cantor convida à todos para o show realizado no espaço da Natura e todos saem pela porta da frente da sala de desfiles. Nada mais autoral, nada mais autêntico, nada mais comum.