Luxo, feminilidade e looks all jeans no último dia do evento

O último dia da Casa de Criadores foi marcado por peças com carinha de brechó, looks totais no jeans, modelos românticos, sofisticados e esportivos. O street, sempre presente, garante uma dose extra de modernidade em looks joviais e que revelam sobreposições e mistura de tecidos. A tecnologia também esteve presente no desfile surpresa da Rhodia com peças da Lupo Sport e styling de Leandro Benites. Os fios de poliamida Amni(R) e Emana(R) conferem toque macio, respirabilidade, secagem rápida e conforto às peças. Além disso, os fios evitam descartes e outros processos poluentes.

Ale Brito iniciou a noite com uma coleção focada nas mulheres contemporâneas que não seguem tendências pré-determinadas e gostam de mesclar texturas, estampas e tecidos. Dentro desse contexto entram desde padronagens xadrezes até o veludo floral e o couro. Transparências, drapeados e decotes juntam-se à alfaiataria e produções totais no denim bruto super limpo e com leve brilho, que pode ser visto na jaqueta acolchoada, camisas, trench coats com costuras marcadas ou nas pantalonas e calças oversizeds, no estilo no gender. Destaque ainda para o brim black com costuras na cor branca.

Igor Dadona trouxe o estilo street divertido para contar sobre sua nova fase mais leve e divertida em looks confortáveis e muitas vezes inspirados no mundo dos skatistas agregando liberdade de expressão e conforto. O lado autoral e artístico pode ser visto nos jeans pintados por Luan Zumbi onde entram desenhos de mãos estrategicamente colocadas nos bolsos, corações, gotas, olhos, bocas, entre outras, modificando completamente as peças. As lavagens vão do delavê ao bruto e os shapes passeiam entre os fits retos até os oversizeds.

Há ainda a mistura de tonalidades formando geometrias em calças e bermudas. As jaquetas, entre outras peças, trazem um mix de tecidos e estampas com xadrezes, listrados e camuflados. Artigos com aspecto de nylon surgem nas cores primárias em patchworks de calças, shorts e agasalhos, assim como os moletons que permeiam toda a coleção; A alfaiataria também esteve presente nas camisas e calças com barra virada, em algodão. O estilista usou os artigos Husky, com aspecto moderno e toque de cor nos detalhes e Ariana, com alto stretch e efeito leather sofisticado, ambos da Vicunha. A Haco também esteve presente nos patchs e identidade visual.

Heloisa Faria abordou o universo feminino através da sororidade (união e respeito entre as mulheres), da sua resiliência e força nos dias atuais. A estilista buscou inspiração no trabalho da artista Linder e nas formas geométricas de Sonia Delaunay, e apostou em peças esvoaçantes e super delicadas, sua marca registrada, além da alfaiataria em tecidos de camisaria da Vicunha como o Luca, brim 100% algodão com fios nobres penteados, usados no conceito upcycling ou em contraste com tecidos leves como tule e cetim.

Elementos do quarto, local onde a mulher se protege e busca refúgio, surgem nos aviamentos como borlas, pingentes e franjas. Destaque para as mules com bordados de pérolas. As cores giram em torno dos azuis, branco, rosa pálido, bege com acentos de beringela, amarelo ácido e rosa coral.

Imagina o cenário glamouroso dos anos 80 e todo o luxo da lendária boate Gallery. A high society paulista e seus personagens como Xuxa, Roberta Close, Chiquinho Scarpa ou Sandra Brea. É exatamente esse o contexto que Rober Dognani levou para as passarelas na última edição da Casa de Criadores. Sempre valorizando peças ornamentadas repletas de brilhos e volumes, o estilista passeou pela ostentação da década mesclando muito lamê, paetês, roupões em seda, florais, ombros marcados, macacões, além da inspiração que vem do famoso jeans Dijon.

Entre os looks all denim surgem corpetes e saias longas e ajustadas com babados onde o viés dourado se sobressai em meio ao jeans raw. O trench coat ganha palas e bolsos exagerados e há ainda espaço para a pantalona clochard com ilhoses e as maxi jaquetas com foco no mood over de luxo da época. Os vestidos ora são curtinhos com pregas e transpasses, ora longos e esvoaçantes.

Brechó Replay trouxe uma escola pública de periferia, imaginária, onde todos os alunos podem se expressar, sem bullyng, sem regras pré-determinadas, onde os estilos são livres e convivem harmoniosamente. Há negros, brancos, heteros, trans, gordinhos, baixos, altos..o skatista, o artista, a modelo, o nerd, todos juntos e misturados em looks que ganham muitas sobreposições, texturas, mistura de tecidos e conforto. Há moletons, calças jeans oversizeds no delavê, pinturas à mão, vazados, bermudas, trench coats, xadrezes, recortes, fendas…mix de referências e tribos nesse grande e plural universo da moda.

Fonte: Vanessa de Castro | Foto: Agência Fotosite