Noite Sou de Algodão emociona a plateia com muita criatividade e fibras naturais

A noite da última quinta-feira (29/11), dentro da semana de moda da Casa de Criadores, foi marcada por apresentações do movimento Sou de Algodão, desenvolvido pela Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), que promove diversas ações para incentivar o uso da fibra natural.

Durante a primeira divulgação, assinada pelo movimento e com a curadoria de André Hidalgo, estilistas e marcas parceiras se uniram para apresentar a diversidade dos corpos, com modelos plus size, gestante, deficientes visuais, entre outros.

A Alhma participou com a NotEqual, Cecília Prado com Alex Kazuo, Martins.Tom com a Equus, Gardana Jeans para Ken-Gá, Highstil com a Saint Studio, Juliana Carrijo com Diego Fávaro, Kyly com Felipe Fanaia, M.Martan com Rocio Canvas, Mahara Green com Angela Brito, Mr. Stone com D-Aura, Paraguaçu Têxtil com Heloisa Faria, Rovitex com Också, Santista com Rafael Caetano, Sudotex com Jorge Feitosa e Thear Vestuário com a Cajá.

A surpresa ficou por conta do show realizado pela cantora Gabi Amarantos – que estava usando um vestido em denim com lurex. Pudemos presenciar lindas peças em denim com desbotes, desfiados e toques esportivos, da Kyly por Felipe Fanaia, vestido franzido com assimetrias da Paraguaçu Têxtil, por Heloisa Faria. Sarjas colors ou em dois tons nos macacões com tecidos Santista, por Rafael Caetano, além de vestidos totalmente desconstruídos e que reuniam diferentes peças em jeans seguindo o conceito upcycling com tecido Vicunha para Ken-Gá. Já a Equus para Martins. Tom levou à passarela um casaco e pantacourt com fendas e detalhes de zíperes, bolsos aparentes e corte a fio.

Na sequência, quatro estilistas – Igor Dadona, Isaac Silva, Renata Buzzo e Rober Dognani, apresentaram coleções produzidas com algodão e tecidos cedidos por Canatiba, Cataguases, Cedro Têxtil, HC Têxtil, Jolitex, Santanense, Urbano Têxtil e Vicunha, marcas parceiras da iniciativa.

Confira as novidades das outras marcas.

Rober Dognani

Alta costura criativa, inspirada nos anos 80, construções com moulage, muitos drapeados, plissados, volumes, amarrações, mangas bufantes deram o tom no sempre animado desfile de Rober Dognani. O algodão natural cru inicia a apresentação trazendo as criações e seus criadores que surgem com sarjas peletizadas no branco, em uma homenagem aos grandes estilistas brasileiros como Clodovil, Markito e Zuzu Angel. Em seguida surgem looks no branco, preto e vermelho com adereços como grandes bolas que envolvem o corpo.

Renata Buzo

Com o tema Ausências, a estilista abusa da estética poética e da delicadeza para trazer o romantismo em peças que ganham materiais reciclados, texturas, aplicações de tecidos, bordados, transparências e muitos vestidos evasês ou macacões croppeds.

Aqui as sarjas de algodão fazem o contraponto à fluidez dos tops ou surgem em looks únicos com detalhes artesanais no tom cru.

Igor Dadona

Deixando a dor de lado e valorizando a felicidade, o estilista traz uma coleção super colorida com pelo menos 70% de algodão em todos os looks numa miscelânea de estampas e patchworks em tons vivos, sarjas resinadas ou com aspecto tecnológico, denim bruto, nylon e flanelas em uma coleção super divertida, urbana e esportiva.

Isaac Silva

O estilista baiano levou para a passarela uma coleção repleta de significados de sua terra em uma moda super usável e criativa. Com inspiração nas figuras místicas como as orixás, Iemanjá e Oxum, Isaac dividiu sua apresentação por cores em looks monocromáticos ou com estampas, no vermelho, azul, dourado e amarelo e roxo. Os vestidos ganham babados, camadas, drapeados ou transparências.

Destaque para as sarjas na flare ou no conjunto listrado oversized, para o denim no azul vivo, super leve, do vestido longo que ganha elástico na cintura ou no mix, bata com decote de ombro a ombro e saia com fenda.

Fonte: Vanessa de Castro | Fotos: AGENCIA FOTOSITE