O denim entre o pauperismo e a elegância são as falas de MM6 Maison Margiela

Imagine nuances da Belle Époque, levitando na suavidade do cetim – em uma atitude completamente street. De chinelos e meias, sneakers e arrastão. A perfeita definição da elegância – desalinhada e despenteada. Assim a Maison MM6 Martin Margiela propôs seu Verão 2019 (equivalente a 2020 nacional) mencionando o lado chic da igualdade. Algo que pode ser interpretado como uma certa permissão para o estilo sofisticado falar a o idioma das ruas. E do mesmo modo, também pode ser visto como um direito das ruas comunicarem elegância. E tudo isso sem abrir mão do seu jeans batido, rasgado e esfarrapado.

Foi com essa proposta que a casa Margiela abdicou completamente da necessidade de perseguir o novo, e seguir tendências; tomando assim as rédeas do seu próprio estilo. Focando no núcleo das peças essenciais do seu mix, manteve alguns ícones como o vestido de couro distressed, o denim patchwork, e a alfaiataria ajustada. E ao redor desta base, jogou com elegantes maxi-vestidos de cetim, meias arrastão e coletes antigos. Tons púrpura, nuances esverdeadas, rosados e azuis pálidos resgatados de outros tempos permearam a coleção. Diluído nessa rebuscada cartela de materiais, o denim agregou uma forte atitude urbana: no visual da cropped tubular, das jaquetas oversized, do entrepernas slim e dos combos. Por todos esses formatos, o nosso estimado material azul foi contemplado em duas cartelas. No delavé esfarrapado, ou look bleached descarregado; decorado por pixações manuais. No seu tom mais profundo, estilo dry resinado, quebrado por muitos fechos semi-abertos com leitura de rasgo. Em versões plissadas, no desenho da jaqueta essencial diferenciada por muito mais botões, e no look dos parkas acinturados com acabamento irregular.

Croppeds associadas à t-shirts com traseiras em longos mullets pauperistas, foram recobertas de jóias, e pontuadas por sandálias e meias coloridas. O vestido denim foi sugerido em formato desconstruído por fechos semi-abertos. E foram belíssimas as produções envolvendo arrastão sobre meias em tom de pele, simulando nudez junto à maxi-babados de um ombro só. De toda essa proposta, Margiela definitivamente sinalizou que teremos looks menos repetíveis para o verão. Somado à isso, antecipou que as ruas estão com saudades do efeito dos materiais mais nobres no look, dos babados, e da fuga do comum. Mas de forma alguma, estão dispostas a abrir mão da informalidade de uma sandália rasteira, do conforto de uma meia, e da funcionalidade de um jeans usado. Confira.

Fonte: Vivian David | Fotos: Reprodução