Tommy Hilfiger consagra novo ciclo para a moda em sua apresentação

Cenas inspiradas no litoral caribenho, combos inspirados nos campos de futebol e montanhas de gelo artificiais: todas inspirações já exploradas por Tommy Hilfiger em suas apresentações. Mas foi a atitude de dar um passo para trás na estética das passarelas, que colocou a grife mais à frente no quesito tendências de mercado nesta semana, durante sua apresentação no New York Fashion Week. Diferente dos demais nomes do line-up, os quais seguem apresentando interpretações para o Verão 2017 Internacional (2018 nacional); Tommy Hilfiger conferiu ao seu desfile um outro nível de audácia: apostou na primeira grande apresentação dentro do formato see now buy now.



Com o desfile de peças dedicadas ao Inverno 2017, a grife consagrou como realidade as mudanças no modelo de negócios que vem alterando o fluxo e as estratégias do ciclo da moda. Além do novo conceito de fashion business, Hilfiger também foi direcional ao eleger Gigi Hadid como sua celebridade influência. Na colaboração com a modelo, Hilfiger garantiu a atenção de um público equivalente ao triplo da população de Nova Iorque – fãs e seguidores aproximados de Gigi nas redes sociais. Além de uma nova visão de marketing, a atitude de recuo nas temporadas adotada por uma das maiores grifes do mercado denim global, sinalizou a importância da conexão do tempo do marketing com a logística de consumo nas marcas de moda.



O inverno que Hilfiger colocou nas passarelas, foi uma mistura de estações: maiôs de praia dialogando com tricôs, jeans e couro. O denim apareceu tanto no seu visual mais comercial, rasgadinho e essencial; quanto conferindo ao navy cortes precisos de alfaiataria. O mix incluiu a pantalona do marinheiro no sortimento de pantacourts, o black rasgadinho e frisou bastante o abotoamento do estilo marítimo. Além do shortinho de verão e do mom jeans; Hilfiger destacou listras gráficas retorcidas, malhas colegiais, couro e transparências étnicas.