Algodão colorido pode ser boa opção para driblar crise

As notícias em relação ao algodão não são só negativas. A partir de maio, começa a colheita da commodity no nordeste brasileiro e com expectativa de bons lucros para os produtores da região. Os preços são os melhores já registrados nos últimos 140 anos, com a arroba custando em torno de R$ 120, contra os R$ 35 da safra passada. Em todo o país, o aumento da área plantada com a cultura foi de 56% desde 2009, o que alimenta as estimativas de uma safra recorde em 2010-11, da ordem de 1,95 milhão de toneladas.
No oeste da Bahia, por exemplo, a área ocupada pela cultura é 48% maior que em 2009-10, com 362,7 mil hectares.A produção também deve disparar, com 58% de incremento estimado, num total de 587,6 mil toneladas de algodão em pluma neste ciclo.

Destaque desta safra, as cultivares de algodão colorido desenvolvidas pela Embrapa, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento têm como principal vantagem com relação às de algodão branco o fato de serem mais valorizadas no mercado, além de reduzirem os custos da indústria e serem ecologicamente corretas, uma vez que dispensam as fases de preparo para tingimento, o que requer a utilização de produtos químicos.

As roupas produzidas com esse tipo de fibra são muito procuradas, principalmente por pessoas alérgicas a corantes e para uso por recém-nascidos. Quatro variedades coloridas desenvolvidas pela Embrapa Algodão e comercializadas pelo Escritório da Embrapa Transferência de Tecnologia em Campina Grande se destacam para a produção na região nordeste: BRS Topázio, BRS Verde, RS Rubi e BRS Safira

Os interessados em conhecer essas e outras cultivares podem visitar o estande da Embrapa na Bahia Farm Show, que será realizada entre 31 de maio a 4 de junho, em Luís Eduardo Magalhães (BA) Veja aqui o site do evento.

REDAÇÃO | FOTO: REPRODUÇÃO