C&A amplia linha de produtos sustentáveis em parceria com a Cedro Textil

A C&A, maior rede de varejo de moda do país, lança linha de jeans mais sustentável, que tem as mesmas características de moda e conforto do jeans tradicional, e reduz os impactos sociais e ambientais em seu processo produtivo.

Para a produção das peças, a empresa fez uma parceria com a tecelagem brasileira Cedro Textil, responsável pela produção do denim Biofashion, utilizado na coleção, e com a Emphasis, fornecedor de confecção e lavanderia, para utilizar algodão mais sustentável. Esse tipo de matéria-prima usa a água de forma mais eficiente durante o cultivo, preserva a qualidade da fibra e tem uma colheita mais adequada do ponto de vista ambiental e social.

“Trabalhamos em conjunto com nossos fornecedores para entregar um produto que tenha todas as características desse item famoso do guarda-roupa de nossos clientes”, informa o vice-presidente de marketing e operações, Elio Silva.



Os modelos de jeans mais sustentável já estão disponíveis nas lojas físicas e na loja virtual desde o dia 30 de março, com preços que variam entre R$ 79,99 e R$ 129,99.

O lançamento dessa nova linha de jeans faz parte dos compromissos globais da C&A com a sustentabilidade. Essas iniciativas estão organizadas em uma plataforma que tem três grandes focos de atuação: produtos, cadeia de valor e engajamento de funcionários e clientes no tema.

Para comunicar a chegada do novo produto, a rede investiu na comunicação no ponto de venda, que destaca o lançamento da linha e sua produção com algodão mais sustentável. Além disso, todos os produtos possuem uma etiqueta específica, para facilitar a identificação das peças pelo consumidor.

O jeans mais sustentável é mais uma coleção que entra para a linha de produtos ambientalmente corretos da C&A, que já conta com produtos baby e infantil confeccionados com o algodão mais sustentável.

Além da matéria-prima diferenciada, os produtos baby e infantil contam com procedimentos de segurança mecânica. Desde 2008, a C&A segue o manual de segurança mecânica, inspirado nas regras europeias, para desenvolver produtos infantis. Esse manual regula, por exemplo, o uso de glitter, ímãs, LEDs e tecidos que imitem peles de animais nas peças para esse público. Borracha natural e látex, que podem entrar em contato direto com a pele das crianças, também estão na lista de itens não permitidos.

Para fazer valer essas regras, a empresa realiza diversos testes com as roupas em um laboratório próprio, além de realizar auditorias em lojas, para avaliar os riscos gerados por correntes, fitas ou cordões de puxar que possam causar enforcamento; enfeites e acessórios, cintos, lantejoulas, velcros, zíperes e demais fechos, entre outros materiais que possam ser ingeridos e causar asfixia.

REDAÇÃO | FOTOS: DIVULGAÇÃO