Calvin Klein encerra coleções de luxo para focar no jeanswear

O mercado da moda não anda positivo para empresas como a grife norte-americana Calvin Klein, que acaba de fechar uma de suas lojas em Nova Iorque, e um escritório em Milão, demitindo cem funcionários.

A marca icônica agora focará nas vertentes jeanswear e roupas intimas. Essa reestruturação se deu por conta do fechamento da loja tradicional na Madison Avenue, em Nova Iorque, segundo informações do jornal The Guardian, que sucederam a saída do diretor de criação Raf Simon. Ele tinha sido o principal mentor da unificação de várias categorias da grife, sob o nome Calvin Klein 205W39NYC.

As mudanças mantiveram todo o controle criativo da marca, mas não foram bem vistas nos negócios. O terceiro semestre de 2018, os lucros pré-taxação de impostos caíram para US$ 121 milhões, em comparado com US$ 142 milhões no mesmo período do ano anterior, mesmo assim as receitas aumentaram 2%, para US$ 963 milhões no ano.

Emanuel Chirico, CEO da PVH Corp, empresa controladora da grife, afirmou estar “decepcionado com a falta de retorno sobre nossos investimentos em nosso negócio na Calvin Klein 205W39NYC”, e resolveu demitir o diretor de criação antes do término do contrato, previsto para agosto deste ano.

Fonte: Redação | Foto: Reprodução