Canatiba aponta as principais tendências da estação e apresenta novos artigos para a temporada

As novidades não param na Canatiba Têxtil, por isso, a empresa apresentou na última terça-feira (27/02), seus lançamentos para a temporada do Verão 2019, além da palestra de Tendências com a consultora de moda, Bia Aidar.

Diferentes tecnologias surgem para agregar valor, apelo de moda e conforto, além de facilitar e otimizar o tempo em lavanderia. Destaque para a linha Eco Dye onde entram tingimentos ecológicos em índigo, com economia de 80% de água e energia. Os tecidos Lava Jato descarregam mais rápido, em diferentes tingimentos e as costuras são facilmente marcadas.

A linha New Vintage valoriza o 100% algodão, num retorno ao início do denim, com foco nas modelagens e caimento perfeito. É o visual vintage reformulado através de novas construções e composições diferenciadas. Em lavanderia entram os efeitos sal e pimenta entre outros.

Já a Fiber Hilight traz fibras especiais onde o algodão passa a ter um peso de destaque com aspecto mais nobre e rico em tecidos que ganham ainda os fios liocel e modal como o artigo Amelie, super leve (6oz) com trama na cor preta, tom que invade e, faz sucesso em qualquer estação.

A linha Tecno Comfort aposta na tecnologia e inovação para alcançar o máximo conforto com fios de elastano diferenciados em tecidos acima de 80% de power e efeito modelador, com larguras de 1,58 e baixo encolhimento. Ideal também para as peças mais justas do segmento plus size. Aqui os artigos podem vir com acabamento de brilho resinado e efeito acetinado, sem toque seco e sem perder a elasticidade. Os tecidos podem ser trabalhados desde os amaciados até efeitos used.

Por fim os artigos com a etiqueta Lycra Beauty, tecnologia da Invista que confere elasticidade, manutenção da forma, sem encolhimento ou deformação do tecido.

Trends

Outra novidade da Canatiba é o selo Trends que vai sinalizar os tecidos que tem vida útil de um ano, isso quer dizer, ele será tendência por esse tempo. Isso facilita a vida das confecções que muitas vezes perdiam o “time” da compra. Essa coleção traz tanto o PT em bases coloridas quanto os maquinetados ou edições limitadas com aspecto de couro, resinados, estampados, entre outros.

Já na pegada ecológica a Canatiba traz a linha Éko com um mix de fibras recicladas que podem vir com aspecto linho onde não se perde a qualidade em lavanderia, acabamento e tingimento, agregando ainda melhor custo x benefício. São tecidos rígidos de alta densidade com matérias-primas nobres, construções diferenciadas, cores e acabamentos inovadores;

Summer 19

A consultora de moda Bia Aidar abordou os novos hábitos de consumo, consumidores e experiências da atualidade. Dentro desse contexto entram o Tempo x Experiência x Consumidor, onde as marcas fidelizam os clientes, otimizando esse tempo tão escasso atualmente com experiências Vips, principalmente no mercado de luxo.

No tema Reciclagem e Design a ideia é unir a sustentabilidade juntamente com novas tecnologias transformando em produtos inovadores. O conceito Slowdown valoriza o ambiente e a experiência de compra na loja, unindo moda, conforto, e sensações diferenciadas. Já a tendência Mudança de Hábitos aponta para as pessoas que cada vez mais praticam o home office e precisam de roupas para ficar em casa que sejam confortáveis e versáteis, além da pegada no gender que vem ganhando bastante espaço no mundo da moda. Aqui no Brasil, as pessoas ainda têm um pouco de resistência ao estilo “cocooning”, mas pode-se adaptar essas peças para os jeans elastizados que passeiam em diferentes ambientes.

A Quebra de Esteriótipos traz os diferentes tipos de beleza e de silhuetas, deixando de lado o “o modelo padrão” antes imposto nas passarelas e valorizando a individualidade de cada mulher.

Tendências

Sem grandes rupturas entre casual e social a moda transita entre o passado e o futuro resgatando referências antigas traduzidas para a moda atual. O lifestyle continua sendo seguido em peças atemporais e funcionais. As emoções também são muito importantes nesse contexto e variam de formas diferenciadas como individual e coletivo, trabalho e lazer, movimento e pausa.

O tema The Clash traz o “confronto entre o excesso de correria e informação que faz com que cada um busque seu lado individual e personalizado na maneira de se vestir”. Aqui entram looks despojados para qualquer ocasião, referências das décadas de 80 e 90, o cyber punk, rebeldia divertida e a busca pelo autoconhecimento e autoconfiança.

O tema The Seek aposta na “busca insaciável, muitas vezes pelo que não foi conhecido ou vivido, mas histórias inspiradoras que despertam interesse por saber e viver tais fatos”. Aqui entram o universo retrô com destaque para os anos 70, cenários de praia, lugares paradisíacos, belezas naturais, multiculturas, esportes radicais, principalmente de velocidade destacando o empoderamento feminino que aponta para mulheres fortes e autossuficientes, o estilo western traduzido para uma vestimenta urbana, e a inspiração oriental ligada ao bem-estar e a saúde.

A cartela de cores traz desde os “assorvetados” até tons de amarelo, laranja e vermelho vivo, passando pelos azuis e cinzas.

No segmento masculino as camisas chamam atenção tanto em chambray ou viscose, super leves e com bolsos múltiplos, quanto no estilo militar. Os casacos ganham patches ou aspecto utilitário e o estilo workwear surge mais vintage. As jaquetas rider podem ser minimalistas incrementadas com zíperes funcionais. As calças skinnies surgem com bolsos removíveis e surgem com base alfaiataria e detalhes em couro e rebites. As calças retas ganham cada vez mais power e as joggers surgem na malha denim. Destaque para o decorativismo, patches, pinturas de grafite, efeitos de colagem e trabalho com os logos das marcas seguindo o estilo esportivo.

Para o feminino, o top brallet continua em alta e, pode ser visto com detalhes de amarrações. O corsett surge numa pegada western ou lingerie com mistura de lavagens. As camisas são trabalhadas em inúmeros comprimentos, com recorte quadrado, babados, com patch, no estilo vestido, no denim raw e passeiam do casual ao sofisticado. Para o segmento jovem as croppeds são “bate-caixa” e para o contemporâneo a slim ganha força. O estilo cowboy permeia diversos modelos no estilo urbano ou campestre. As jaquetas ainda trazem babados, um ar mais decorativo ou listras laterais. Há ainda opções coloridas, alongadas ou curtinhas e as versões oversizeds dos anos 80.

Destaque para os conjuntinhos coordenados com cara de alfaiataria e para os quimonos reinventados. As saias surgem assimétricas, midi, envelope ou curtinha. Já as salopetes ganham amarrações e os vestidos podem ser vistos em opções mais leves e fluídas; A saia-short vem conquistando seu espaço com ilhoses ou amarrações e elástico na cintura. O estilo clochard chama atenção, porém com menor volume. Os shorts ora ganham corte a fio, ora babados ou efeitos destroyer.

Diferentes versões de calças permeiam a temporada, das skinnies à flare cropped com abertura bem sutil. A wide pants surge em versões curtas no índigo puro, com aspecto brilhante. As calças utilitárias se transformam com os zíperes removíveis. Macacões e macaquinhos surgem leves e confortáveis em várias lavagens ou utilitários e esportivos. A pantacourt traz detalhes de logos ou cristais nos recortes dos patches.

O estilo cyber punk traz a rebeldia irreverente em desconstruções com patches de lavagens, amarrações, contrastes de costuras e detalhes com zíperes e aspecto de couro. Os tampões podem ser vistos com malhas metalizadas. O estilo artesanal chique se faz presente nas peças pintadas à mão. Ainda em lavanderia destaque para o visual encrespado com puídos sutis, blocos de cor, respingos de tinta, foil, aplicação de franjas, vazados e efeitos de reserva.

FONTE: Vanessa de Castro | Fotos: Equipe Guia JeansWear