Comunicação, varejo e mídias sociais na SMW em São Paulo

O mundo não é mais o mesmo de alguns anos atrás. Com uma velocidade impressionante vimos o crescimento dos smartphones, dos aplicativos e das redes sociais. Cada um cumpre sua função e o mercado, seja ele de moda, alimentação, design, automóvel ou até a agricultura, passa a depender nem mesmo que minimamente de alguma informação transmitida por estes canais – que têm cada vez mais poder na atualidade.

No varejo de moda, especificamente, quem não utilizar corretamente os meios de divulgação de sua marca, modos de dialogar com seu consumidor, certamente está fadado ao fracasso. O produto em si não se vende mais sozinho. É preciso ter um propósito, contar uma história, construir laços com seu público.

E é exatamente esse o mote da Social Media Week São Paulo (SMWSP), o maior evento de mídias sociais da América Latina que acontece até sexta-feira, 13 de setembro, em duas unidades da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing) em São Paulo.

A SMWSP trouxe para os palcos o tema “Stories – As histórias que contamos, consumimos e compartilhamos têm o potencial de moldar quem somos e o que nos tornamos”, que está sendo abordado em vários países que sediam o evento. “Dada a sua escala, as redes sociais tornaram-se a plataforma de histórias mais influente do mundo. Seja qual for a forma que tomem, as histórias contadas por meio das mídias sociais têm o poder de atingir e influenciar mais de 60% das pessoas no planeta”, afirma a organização do evento.

A décima segunda edição espera reunir mais de 8 mil participantes para as 27 trilhas de conteúdo em 280 atividades, sempre com novos assuntos como marketing B2B, maker, negócios e empreendedorismo, co-criação, comunidade e Instagram para negócios, inbound marketing, influencer marketing, inovação, inteligência artificial, jornalismo digital, storytelling, transformação digital e vídeo marketing, entre outros.

O evento é organizado pela Interney consultoria, em parceria com a tambor.biz e a ESPM. A Social Media Week São Paulo sempre traz elementos da cultura pop para a sua programação. Este ano os personagens da Turma da Mônica nomeiam as sete salas do evento. Uma homenagem aos personagens de Mauricio de Sousa: Magali, Chico Bento, Cascão, Milena, Magali e o sétimo personagem foi escolhido pelo público em uma votação, o Horácio.

Confira alguns assuntos apresentados no primeiro dia do SMWSP:

Na palestra “Instagram nativo digital – Você não é o seu @”, Gabriel Dias, Sócio e planejamento de comunicação digital e Hector Aragão Muniz e Barros, Sócio e gerente de social media da GorillaBrand, abordaram a ferramenta do Instagram para Negócios e, como atrair atenção em um mundo super conectado e veloz.

“É preciso pensar em uma comunicação nativo digital que seja descolada da comunicação publicitária tradicional. Na corrida por autenticidade, é preciso pensar em criar comunidade, entender algoritmos e produzir conteúdo relevante”, afirmam os sócios.

Entre os tópicos levantados, foi frisado que Social Media é escutar, conversar, entender e gerar conversa. Além disso, é importante lembrar que Hashtag também é estratégia, não é só copiar e colar, isso reduz o alcance dos posts. O recurso é o novo slogan, elas têm muita força, por isso é necessário usar a # correta. E a regra de ouro é pensar em comportamento, é entender o comportamento das pessoas através daquela #.

É preciso ainda construir uma comunidade, interação com as pessoas. Nesse contexto, os likes ficam em segundo plano. Interesse, tempo e relacionamento é o que ditam a regra. O like não é ferramenta de engajamento. Um post novo analisa engajamento, as pessoas precisam interagir. A plataforma quer que você gere conteúdo novo sempre, seja visual ou texto.

E como tudo dentro da tecnologia tem seus prós e contras, eles abordaram também as advertências dentro das mídias sociais como a doença da atualidade: a síndrome de Burnout, também reconhecida como a síndrome digital, que é o esgotamento físico e mental pelo excesso de trabalho.

O Brasil é o segundo país mais viciado em Internet no mundo e, as pessoas têm medo de perder algo, de estar por fora das informações. Tudo isso gera estresse, depressão, ansiedade. Outro fator importante é o uso indevido de dados. “Estamos vivendo em uma cleptocracia de dados. As pessoas estão usando sem nossa autorização e para nos manipular”, comentaram os sócios.

E, por fim, eles deixaram uma frase de Jaron Lanier, para se pensar: “Existem duas indústrias no mundo que chamam seus clientes de usuários. A indústria da internet e a de drogas”,

Já na palestra “O princípio e o passo a passo da Transformação digital do seu negócio”, Reinaldo Nogueira, Diretor de Inovação e Serviços, Projeto TI 360. Nele, foram abordados assuntos como a definição de modelo de negócio dampresa, contato com o mercado, geração de valor, mercado digital em número global e nacional, o próprio mundo digital, modelos de Blockchain, moedas digitais e exemplos de mercado.

Um ponto importante para se pensar é que realmente está acontecendo uma transformação digital, mas também uma transformação humana. E, de acordo com Reinaldo, devemos usar o que já temos dentro da empresa e, a partir daí olhar como podemos evoluir, renovar e inovar em seu segmento.

Ele aponta também a patologia digital FOMO – Fear of Missing Out, o medo de perder qualquer informação, como vimos também na palestra anterior. “Você nunca está em lugar nenhum, na verdade. Viva a experiência, converse, pergunte, sinta cheiros”, afirma Reinaldo.

Ela fala ainda que é preciso pensar em ciclos de inovação e renovação. Saber quem é você e se transformar junto com a sua empresa. E um perfeito exemplo sobre esse comportamento é a marca Faber Castell que tem uma história de mais de 250 anos e como uma das líderes do mercado.

Quando o assunto são Estratégias Digitais, ainda segundo Reinaldo, o digital é só um caminho, o objetivo é o que importa. Ele fala que o novo milionário é quem tem milhões de seguidores, é o famoso digital influencer e, a consequência disso é o faturamento cada vez mais expressivo.

É preciso “mudar sempre com um pé onde está hoje”, nunca realizar uma ruptura, isso faz com que as pessoas percam a experiência e o histórico da empresa. Dentro desse processo, pode-se simplificar etapas, eliminando ou reconfigurando suas combinações, atingindo o mesmo objetivo e gerando valor.

A empresa precisa entender em que nicho do mercado está. A transformação digital acontece na camada do negócio e não no ramo de atividade. Qual o negócio de sua empresa e como podemos contribuir para o seu crescimento? “Se for refém somente do produto, vai morrer, os produtos são perenes”, diz Reinaldo.

Atualmente, o marketing evoluiu muito, antes era somente a venda do produto, hoje é experiência de compra. Sua marca deve ter um DNA, então deve-se conhecer seu negócio. “Será que o novo é novo mesmo? Ou estamos no tempo da Inovação e Renovação? E o desafio atual é pensar em pessoas, processos e produtos. É preciso se diferenciar dentro de um mercado que já existia com um foco claro”, completou.

Reinaldo ainda aponta: “Faça projetos para tudo. Isso dá a sensação de começo, meio e fim. Desenvolva pessoas, trabalhe processos, tenha regras. Tudo o que é organizado transpira organização”. Isso para pequenas e grandes marcas.

Fernanda Nascimento, Diretora, Stratlab Inteligência Digital abordou o tema CX no marketing B2B: um caminho efetivo para a melhor experiência de compra do seu cliente. “Customer Experience nos parece muito pertinente ao mundo B2C. Mas a verdade é que, a cada dia, clientes B2B procuram por melhores experiências na hora de decidir pelas soluções que agregarão valor ao seu dia a dia”, afirmou.

Ela comenta que muitos dados estão ficando para trás e o ciclo de experiência do cliente está mudando. As pessoas olham para os valores das marcas e decidem comprar ou não. A geração Milleninum, por exemplo, se preocupa com as causas, o que as marcas defendem. O comportamento devolve para a experiência de como vou me relacionar com a marca. O cliente B2B não compra por motivos emocionais, ele avalia para comprar, tem uma expectativa sobre aquela compra.

Fonte: Vanessa de Castro | Fotos: Mauro Horita