Descontruções e mistura de tecidos no Verão 2017

A 39ª edição da Casa de Criadores que termina hoje (15-04) no Estúdio Quanta, em São Paulo apresenta as coleções para o Verão 2017 de 18 jovens criadores de moda como Rober Dognani, Karin Feller, Ale Brito, Diego Fávaro e Fábia Bercsek que encerra o evento. Uma das novidades da temporada é a venda de algumas peças desfiladas no site do e-commerce Passarela, inserindo a Casa de Criadores dentro da tendência “see now, wear now”.
Além disso, aconteceu nos dias 12 e 13 de abril o ciclo de palestras Lições de Casa, que contou com alguns dos estilistas do evento, além de nomes como André Hidalgo, Juliana Jabour e João Braga.


Confira as apostas das marcas que tiveram jeans e sarja.


strong>Heloísa Faria: a estilista que mantém loja em São Paulo e peças distribuidas por todo o Brasil, além de exportar seus produtos, trouxe inspiração no livro “Mountain Ecstasy”, que reúne colagens místicas e a celebração do feminino em modelos versáteis, com shapes fluídos, desconstruídos e geométricos e, em tons que passeiam entre os alaranjados, tons arenosos até o verde-água, o lilás e o branco. A mistura de tecidos e texturas se faz presente no chiffon de seda, tule e malha juntamente com artigos estruturados como organza, linho e crepe. Florais e conchas trazem o frescor dessa mulher forte e sensível ao mesmo tempo. Desta miscelânea o jeans sempre chama atenção na marca com recortes inusitados, referências da alfaiataria e limpeza das peças. Para a estação a estilista propõe o delavê que é a cara do Verão no chambray em camisetas quadradas e calças confortáveis para os meninos e, body, shorts e camisas abertas de mangas curtas para elas.


Lui Iarocheski: Moda masculina totalmente experimental e autoral mas como base na alfaitaria em formas retangulares, como mesmo define o estilista que já apresentou sua coleção na Semana de Moda de Vancouver e estreia na Casa de Criadores. Seu Verão 2017 traz fibras naturais como a seda, algodão e linho, além do denim bruto em modelagens amplas como a calça clochard ou a pantacourt com rasgos e desfiados. Ilhoses, elásticos nas barras e cinturas conferem um toque esportivo à produção repleta de comprimentos alongados e sobreposições.


Felipe FanaiaCom foco nos anos 90 e suas tribos que viviam nas favelas paulistanas o estilista trouxe vestimentas inspiradas nos cybermanos e, clubbers que incrementavam seus looks com acessórios improvisados e customizados à mão juntamente com referências esportivas. Desta miscelânea de estilos surgem as famosas semi-bags, além de formas retas, cinturas baixas, saias, vestidos e macacões – tudo seguindo a atual tendência do no gender. Imagine tons de prata como forros de peças recortadas, com um pé no futuro, a calça em sajra branca que vira macacão, maximoletons e maxicamisas, sarjas colors resinadas que se unem nas jaquetas, casacos e calças com bolsos utilitários em peças amplas e volumosas.


Para fazer o contraponto estão ali também as skinnies e leggins principalmente no lamê. O denim bruto surge totalmente reconstruído na saia plissada, no estilo sportswear com elástico na cintura e novamente, a calça-macacão com dobraduras, amarração e detalhe de estrela na sarja vermelha. Muito mais do que um simples artigo, aqui o segmento jeanswear “conversa e interage” com a proposta de Felipe de criar peças que ultrapassam o feminino-masculino unindo sobreposições interessantes, apelo fashion e criatividade.


Na próxima matéria mais tendências das marcas que desfilaram na Casa de Criadores.

VANESSA DE CASTRO | FOTOS: Marcelo Soubhia/Agencia Fotosite