Dia do Algodão é comemorado em evento em Goiás

O Brasil é o segundo maior exportador de algodão e está rumo a alcançar o primeiro lugar. Além disso, ocupa a quarta posição como maior produtor de algodão do mundo e o número um em sustentabilidade. No país, Mato Grosso fica em primeiro lugar, seguido da Bahia e de Goiás como as principais regiões de algodão.

Por tudo isso, o mercado teve muito o que comemorar no 16° Dia do Algodão, em evento realizado na última sexta, dia 14 de junho em Goiás, no encontro organizado pela Associação Goiana de Produtores de Algodão (Agopa), que reuniu produtores, técnicos agrícolas, fornecedores e representantes do governo que puderam conhecer mais sobre os principais desafios para o aumento em produtividade e sustentabilidade no campo.

Pelo segundo ano, o Dia do Algodão foi realizado no Instituto Goiano de Agricultura (IGA), em Montividiu, região Sudoeste do estado. Os participantes formavam as turmas e partiam para o circuito de palestras, com quatro estações ao longo dos campos de algodão. As apresentações abordaram o Desempenho de Cultivares; Monitoramento e Manejo de Grandes Áreas em Nematoides; Saúde do solo e Sustentabilidade Agrícola; e Manejo do Algodoeiro para altas Produtividades e Qualidade da Fibra.

As novidades em sementes, equipamentos de monitoramento de lavouras, projetos de combate a pragas e sustentabilidade ficaram reunidas na feira preparada pelas empresas e instituições parceiras. Em Goiás, 83% da produção possui o certificado internacional de Sustentabilidade, emitido pela Better Cotton Iniciative (BCI), por meio do programa Algodão Brasileiro Responsável (ABR), o que contribui para fazer do Brasil o maior produtor de algodão sustentável do mundo.

“O Brasil tem uma das maiores produtividades na cotonicultura do mundo, irrigando apenas 8% de sua área”, explica o presidente da Abrapa. Ele enfatiza o programa Algodão Brasileiro Responsável (ABR), de certificação de pluma sustentável, que, no Brasil, atua em benchmark com a Better Cotton Initiative, referência mundial neste quesito. Atualmente, o Brasil já representa 31% de todo o algodão licenciado pela BCI, o que faz dele o maior fornecedor global de fibra sustentável.

A convite da AGOPA, nossa coordenadora Marlene Fernandes, participou do evento, e se sentiu muito honrada em conhecer um setor unido, que se dizem “roceiros” por viverem da agrícola mas que juntos se tornaram uma potência. “Tenho orgulho deste setor que unidos estão transformando nosso Brasil”, comentou Marlene. E, acrescentou: “Foi importante participar deste evento, pois percebi que nosso setor só ganhará apoio governamental se nos unirmos, que através desta união eles enxergarão a potência do denim nacional”. Lembrando que o algodão é a principal fibra na construção do denim.

O Dia do Algodão é a maior oportunidade para reunir representantes da cadeia produtiva da fibra natural. Presidente do Instituto Brasileiro de Algodão (IBA), Haroldo Cunha destacou que o evento tem aporte financeiro da instituição, pois atende ao objetivo de trabalhar com foco em resultados. Para o presidente da Associação Mato-grossense de Produtores deAlgodão (Ampa), Alexandre Schenkel, o intercâmbio interestadual é a marca dos produtores de algodão, motivo de transformar o Brasil de importador para o segundo maior exportador de algodão do mundo.

Por sua vez, o presidente da Associação dos Cotonicultores Paranaenses (Acopar), Almir Montecelli, ressalta a cooperação entre estados produtores: o Paraná está retomando sua produção e Goiás pode ajudar bastante”. Já para o presidente da Agrodefesa, José Essado, as instituições públicas e privadas possuem capital técnico que geram parcerias com resultados.

Para o presidente da Faeg, José Mário Schreiner, o Dia do Algodão é um exemplo de que a agricultura brasileira dá certo, e lembra que o Plano Safra será lançado em junho, algo fundamental para os produtores.

Presidente da Aprosoja Brasil, Bartolomeu Braz vê no algodão uma cultura que conseguiu se integrar a outras culturas. “A cadeia produtiva melhorou a técnica, inovou e ganhou em sustentabilidade”, diz. Secretário de Agricultura de Goiás, Antônio Carlos Lima destacou que o algodão é uma das cadeias mais representativas da agricultura goiana, com benefícios que ultrapassam o campo.

O deputado estadual Lissauer Vieira, presidente da Assembleia Legislativa de Goiás, afirma que o evento traz entusiasmo ao produtor. “Essas ações profissionalizam a produção. Goiás precisa disso”, diz.

Já o deputado federal Alceu Moreira, presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), declarou que o modelo de organização da cotonicultura goiana mostra que há cooperação empreendedora. “O produtor se sente protegido e confiante. A FPA vai trabalhar para mostrar a qualidade do algodão brasileiro ao mundo”, promete.

Para o presidente da Agopa Carlos Alberto Moresco, o Dia do Algodão é o fechamento de um ano de trabalho, quando o produtor pode entender um pouco mais sobre as opções de cultivares do mercado e seu manejo. “Estamos em um momento muito positivo para a cultura em Goiás, mas continuamos ativos frente aos desafios no campo e fora dele”, declarou.

O dia do Algodão antecede outro grande encontro da cadeia produtiva nacional. Nos dias 27 a 29 de agosto, Goiânia vai sediar o Congresso Brasileiro do Algodão, uma realização da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), com apoio da Agopa.

Fonte: Vanessa de Castro | Fotos: Divulgação e Equipe Guia JeansWear