Exportações têxteis têm melhor mês de julho desde 2002

O setor têxtil e de vestuário registrou um crescimento de 3,4% nas exportações no último mês de julho, chegando aos 531,4 milhões de euros. É o melhor índice atingido desde 2002, segundo dados divulgados pelo INE e tratados pela ATP (Associação Têxtil e Vestuário de Portugal).

“Ainda assim, números que não compensam os resultados negativos do mês precedente, pelo que os valores acumulados de exportações do setor para o período janeiro a julho são agora de 3.207 milhões de euros, menos 0,9% do que o mesmo período do ano transato”, disse Mário Jorge Machado, presidente da ATP, em comunicado oficial.

O desempenho das exportações de vestuários e acessórios de tecido aparece entre os destaques nas exportações, com mais de 25 milhões de euros ou 4,3%, seguido por feltros e artivos de cordoaria (mais de 17 milhões de euros ou 10,3%) e tecidos especiais e tufados (mais de 3,8 milhões de euros ou 5,7%).

Além disso, as exportações para destinos extracomunitários cresceram 5,5% nos primeiros sete meses do ano, enquanto para a União Europeia diminuíram 2,3%.

O levantamento apontou os países que lideram o “ranking” dos destinos com maior crescimento absoluto, sendo todos extracomunitários. São eles: Estados Unidos (acréscimo de 17 milhões de euros, +9%), Canadá (mais sete milhões de euros ou 25%) e Índia (mais cinco milhões de euros ou 107%). No entanto, os destinos que registam maior queda são comunitários: a Espanha (com uma queda de 37 milhões de euros, ou seja, -3,7%) e a Alemanha (menos 15 milhões de euros, equivalente a -5,2%).

Ao todo, entre janeiro e julho de 2019, o setor têxtil e de vestuário apresentou um saldo excedentário de 616 milhões de euros, com uma taxa de cobertura de 124%.

Fonte: Redação | Foto: Reprodução