Igualdade é o tema na 8º Bangladesh Denim Expo

 

Cinco anos atrás, mais de 1.000 trabalhadores da indústria têxtil morreram em um colapso no Rana Plaza, em Bangladesh. Então, caíram as cortinas de muitas marcas de alta moda, que mandavam suas peças para produção em condições desumanas no país. A segurança da indústria da moda em Bangladesh, continua incompleta. Mas a boa notícia é que a dignidade do chão de fábrica começa agora a inspirar o formato da mais influente feira do setor denim em Bangladesh. Igualdade: foi com esse tema que a 8º Bangladesh Denim Expo aconteceu entre os dias 9 e 10 de maio, em Dhaka.

A escolha do tema colocou em evidência os esforços e progressos que Bangladesh tem obtido recentemente com relação à promoção da igualdade no ambiente de trabalho – abordando tanto aspectos econômicos quanto políticos. Se a ideia orbita ainda no patamar do marketing, precisamos investigar com cautela. Mas o fato é que a palavra mágica da indústria denim – sustentabilidade – visivelmente está assumindo um sentido mais completo e real no país, que debateu o tópico sempre relacionando-o à estratégias econômicas promissoras necessárias e incontestáveis.

Com o objetivo de atrair compradores da União Européia e dos Estados Unidos, algumas fábricas começaram a produção de alta qualidade buscando melhorias na sua gestão.

“A maioria dos fabricantes de denim de Bangladesh já começaram processos para garantir a sustentabilidade dos seus produtos”, declara Masud Dewan, assistente geral da gerência de Marketing da Sasha Denim Limited, a fabricante mais expressiva do país que desenvolve para marcas globais como Zara, C&A, Cotton on, Target Australia, George, New Look, Jack&Jones entre outros. E o olhar igualitário das indústrias locais, durante os debates, insurgiu bastante para a mão de obra feminina, a qual representa 65% dos 4 milhões de trabalhadores distribuídos nas 4.000 fábricas de roupas do país.

Atualmente, Bangladesh tem mais de 30 tecelagens de denim com uma capacidade de produção de cerca 443 milhões de metros por ano. Cerca de 80% de denim produzido em Bangladesh é exportado para o mercado Europeu, enquanto 20% segue para os Estados Unidos. Bangladesh atualmente exporta calças, saias e jaquetas denim; além de casacos de couro e roupas de bebê; entre outros produtos do mercado global.

O tópico da alta tecnologia eco-friendly ainda pairou muito mais sobre o discurso dos projetos futuros, do que do presente concreto em si. De concreto, o que ficou visível para o universo denim global, é que assim como nos demais países, toda cadeia azul está forçando a transformação do setor para um capricho maior na produção. Palavra que envolve gestão de processos, custos, recursos, pessoas e claro: visual. Todos pensados juntos: jamais isoladamente.

Fonte: Vivian David | Fotos: Reprodução