Impressão 3D pode massificar têxteis inteligentes

As dificuldades de produção em escala de têxteis técnicos e inteligentes podem se tornar um problema do passado. Um novo método que recorre à impressão 3D permite eliminar vários passos da produção têxtil convencional, reduzindo, ao mesmo tempo, a sua pegada ambiental. A novidade foi desenvolvida por Razieh Sanatgar, estudante de doutoramento da Universidade de Borås, na Suécia, durante o programa Gestão Sustentável e Design em Têxteis.

Procurando dar resposta à produção em escala de têxteis técnicos e inteligentes, a estudante encontrou uma alternativa capaz de substituir a eletrônica impressa, reduzindo a sua pegada ambiental, já que o método convencional exige um elevado consumo de energia, químicos e água.

“O objetivo da minha investigação é desenvolver um processo integrado de produção para têxteis técnicos e inteligentes que simultaneamente consuma menos água, energia, químicos e gere menos desperdício, deixando uma pegada ambiental o mais reduzida possível, ao mesmo tempo que traz benefícios de produção, já que o método é eficiente em custos e recursos”, explica Razieh Sanatgar ao Sourcing Journal.

O projeto baseia-se, então, no desenvolvimento de um novo material polimérico – semelhante à espuma do poliuretano e ao PVC (cloreto de polivinil plástico) – com propriedades condutoras que pode ser usado como fonte de alimentação nas impressoras 3D.

Deste modo, a estudante criou uma mistura de um polímero, que incorpora um sistema de condutividade elétrica, permitindo que o material retenha as suas propriedades condutoras mesmo depois de passar pela impressora 3D.

Assim, o novo sistema de impressão 3D garante uma elevada flexibilidade do processo produtivo, permitindo eliminar várias fases do método convencional. Por outro lado, é possível “obter uma produção customizada com a impressão de nanocompósitos diretamente no material têxtil, nos lugares exatos”, aponta.

Potencial de uma área inexplorada

Razieh Sanatgar revela que um dos maiores desafios encontrados ao longo do projeto se prendeu com a determinação do grau de aderência dos polímeros e nanocompósitos aos diferentes materiais têxteis. Os resultados deste estudo dão resposta a uma lacuna do sector tecnológico neste campo, cujo potencial “não foi completado explorado”, afirma.

Com este projeto, Razieh desenvolveu uma investigação sobre “o efeito de diferentes parâmetros do processo de impressão na aderência de polímeros e nanocompósitos em têxteis”, acrescentou.

Este método pode agora reunir várias aplicações possíveis, desde a produção de tecidos inteligentes, luvas para realidade virtual, vestuário de performance com propriedades sensíveis à temperatura, equipamento médico e materiais para as indústrias automotivas e aerospaciais. No fundo, qualquer material que implique o recurso a um sistema de condutividade integrada.

Fonte: Portugal Têxtil | Foto: Reprodução