Jeans com a cara da riqueza é o tema da Elle Americana

Trabalho, dia-a-dia, funcionalidade, despojamento: todas palavras inerentes ao jeans. Mas e quanto ao adjetivo estonteante? Nem sempre é possível associar a estimada five pockets a tão elevado patamar. No entanto as temporadas do segmento, esporadicamente buscam por inspirações que transitam da ostentação ao clima mágico de celebração, deparando-se com o conceito de luxo. E hoje, tempos em que assistimos à discussão da importância do slow fashion no ciclo da moda, as páginas da Elle Americana de Junho colocaram em evidência em seu mais recente editorial; um diálogo mais do que consistente para o jeans: produções em longos noturnos com jeitão de tapete vermelho, literalmente fazendo jus à expressão “a cara da riqueza”.



A modelo que personifica tal mensagem é nada mais nada menos do que Bella Hadid, estrela que roubou as atenções durante o Festival de Filmes de Cannes deste ano, com seu colar de brilhantes Cavalli e gargantilha da marca de jóias suíça De Grisono. Entre as peças agrupadas pelo editorial, estão blusas de alta costura reproduzindo o efeito ofuscante dos longos de premiações, a jaqueta estampada de madame ornamentada por franjas, e o vestido de tule com jeitão de evento social. Mangas bufantes, comprimentos longos e materiais nobres pontuam a linguagem explorada em toda a publicação.



O jeans que dialoga com estas peças é a skinny com gancho longo e cintura elevada. Bocão vermelho e “argolonas estilo alta sociedade” complementam a maioria das produções. O denim aparece pouco; é bem verdade. Mas ao acompanhar tal linguagem, rouba as atenções e toma completamente para si a mensagem principal do editorial: a ideia do retorno da alta costura, e dos materiais rebuscados colocados junto com a peça mais funcional do guarda-roupa pessoal.

VIVIAN DAVID | FOTOS: REPRODUÇÃO