Lançamentos da feira Premium refletem tendências de mercado

Mencionar sustentabilidade como mera orientação direcional para o segmento jeanswear, é como jogar informações descartáveis para o setor. A verdade é que a galeria inspiracional dessa tendência é vasta, mas algumas iniciativas sinalizam passos evolutivos mais significativos para o mercado. As feiras de negócios que reúnem marcas direcionais, são os grandes celeiros para garimpar essas valiosas informações. E no caso de gigantes como a Premium, o próprio layout projetado para proporcionar fluência e visibilidade às marcas com produção sustentável, facilita essa identificação.

A atenção maior à comunicação visual das etiquetas e tags é um desses valorosos achados, que selecionamos para destacar nessa matéria. A exposição da Premium evidenciou que, desta vez, o foco do valor imaterial não é a fantasia vendida pela marca, tampouco a mera composição e o made in.

A mensagem passou a ser todo o ciclo produtivo – da localização geográfica do insumo, à fabricação e venda. O consumidor quer saber que energia e responsabilidade está assumido ao comprar um produto. Entre os exemplos mais bem-sucedidos da feira que seguiram esse caminho, destaque para a Jack&Jones, que criou verdadeiros logotipos capazes de sintetizar com transparência toda a saga trilhada pela marca, para o desenvolvimento das suas peças.

As lavagens com apelo eco-friendly, por sua vez, são as principais inspirações para constar na arte do Tag, competindo com as informações de fit e corte. Os acessórios das coleções de jeans, por sua vez, cada vez mais são extensões de um discurso coerente: de nada adianta propôr lavagens sustentáveis apresentadas com couro, por exemplo. A não ser que se trate de um couro sintético e eco-friendly, desenvolvido por materiais alternativos.

Novamente mencionamos a Jack Jones, uma das marcas que mais se sobressaiu na feira por um discurso coerente com sustentabilidade em todo o mix. Os sapatos da marca, foram desenvolvidos com solado reciclado e couro ecológico.

Ser sustentável, segundo o mercado, é também revisitar os clássicos da moda que deram certo e permaneceram atuais ao longo dos tempos, evitando assim erros industriais e produções excedentes. Essa foi a ideia incorporada pela marca Gang, que comemora seus 25 anos de trajetória. Junto com esse olhar, a marca apresentou a linha Eco Line.

O mix foi veiculado junto a uma revista – editorial comemorativo da marca mostrando o resgate de seus clássicos. Entre os achados colocados em evidência, a marca mencionou a calça culote, o frayed, o acabamento tie dye, as modelagens com entrepernas relaxado, e as misturas do denim com tonalidades vibrantes de neon.

O olhar no material, nos bons modos de produção, o cuidado na lavagem e a coerência eco-friendly estendida para todos os produtos da coleção representam as novas lógicas de mercado. Tudo isso devidamente sinalizado – e não estandardizado – em etiquetas discretas; porém competentes em transmitir por signos todo o empenho e cuidado dedicado no desenvolvimento das coleções.

Fonte: Vivian David | Fotos: Reprodução