Marcas europeias e americanas estão de olho no mercado latino

Temos um imenso e diversificado potencial de gostos, preferências e tipos de corpos para vestir. Assim é o mercado consumidor de jeans latino – fácil de cativar, porém complexo na hora de modelar. Mas a despeito de todas essas singularidades, somos antes de tudo amantes do jeans. Conhecemos marcas, entendemos o que nos cai bem, e o que de fato nos favorece. Por isso mesmo com proibições, barreiras, protecionismos, dificuldades políticas e econômicas, estamos atraindo as atenções de muitas marcas europeias e americanas; as quais estão traçando seus projetos de expansão fundamentados na nossa geografia.

Uma das primeiras companhias gringas a se aventar no mercado Latino Americano foi a Pepe Jeans London, que há 10 anos vem registrando resultados positivos crescentes, por sua atuação no México e Panamá. Também a Fashion Box, companhia líder no segmento de denim premium e proprietária da marca Replay, que já abriu cinco lojas próprias e duas de outlets no mercado desde abril de 2017 até dezembro de 2018. Replay Jeans do Brasil, a companhia com a qual a Fashion Box opera, atua no canal de atacado e distribuição da Replay para 200 lojas multimarcas, tendo três pontos de venda localizados em São Paulo, um em Belo Horizonte, e um em Curitiba. E como próximos passos, a marca já anunciou a intenção de abrir mais cinco pontos de venda até o ano de 2022 em nosso país.

Outro alvo desta expansão é a Colômbia, onde a Replay inaugurou duas lojas próprias em Bogotá e Medellin no final do ano passado, e pretende abrir igualmente, mais cinco lojas adicionais até 2022. Nos passos da grife, constam também intenções de expansão no mercado do Paraguai, país onde a marca já é comercializada através de uma loja em Assunção, e em uma loja de departamentos na Cidade do Leste.

Novos players também começam a se interessar pelas possibilidades do mercado latino. Entre eles, a Sanctuary, de Los Angeles, que chamou o artista local Minerva GM para o lançamento, ocasião em que realizou pinturas ao vivo para os convidados, e de quebra conquistou visibilidade através do compartilhamento espontâneo dos mesmos pelas mídias sociais. Os desenhos viraram estampas exclusivas de camisetas, distribuídas aos convidados como brinde, no ato das compras. Além disso, 20% de cada dólar recebido foi doado ao programa de caridade Impacto Textile, o qual beneficia mulheres artesãs e indígenas da cidade do México.

Um consumidor que ainda realiza a compra emocional, mas que também pondera custo x benefício x qualidade. É dessa forma que as marcas internacionais enxergam o consumidor latino. E para eles, além de projetar ousados passos de expansão, os grandes players têm praticado alquimias competitivas entre modo de consumo local e apelo de moda global.

Fonte: Vivian David | Foto: Reprodução