Moda, tendências e a presença de mulheres líderes no mundo fashion

As principais tendências de comportamento permeiam o segmento de moda atualmente, não abordamos somente roupas, cores e detalhes. Mas, principalmente, o lifestyle, o jeito de viver, de ser e de se posicionar no mundo, tudo isso fala muito mais alto do que simplesmente o produto.

Em sua palestra, durante a MKT Mix, a especialista em tendências PeclersParis no Brasil, Iza Dezon, falou sobre a Economia da Emoção. O encontro abordou as principais diretrizes que envolvem os comportamentos para o mundo atual da moda, como se abrir para o outro, entender as diferentes etnias, corpos, falar sobre inclusão, reinvestir na humanidade e identidade coletiva.

Viagens à lugares remotos vêm ganhando espaço cada vez mais, onde a conexão com a natureza é muito importante, é o luxo atual, assim como os tratamentos holísticos. O tema Provoque à consciência traz como mote a sustentabilidade e preservação do meio ambiente. E, por fim, o Incentivo aos nativos ecológicos foca no pensamento da geração Z que não consegue diferenciar o online do offline. É necessário conciliar esse universo contraditório investindo também no ativismo real e humano.

Em seguida, o evento apresentou um bate papo sobre Diversidade e Feminismo – o Futuro do Mercado com Carla Assumpção – CEO da divisão Swarovski CGB, Rachel Maia, da Lacoste Brasil, Shana Peixoto – vice-presidente de marketing Mary Kay e Silvia Machado, diretora de marcas Arezzo&Co. Cada uma citou sua palavra-chave dentro do mercado de trabalho. Para Silvia, é importante ter autoconfiança: “vão acontecer desafios e a gente é forte o suficiente para superá-los”, afirmou.

Rachel falou em transformação: “É preciso colocar os pés no chão e saber que nós temos que ser brilhantes, mais do que resilientes, transformar nos detalhes e oferecer algo melhor, sempre com inovação, sendo disruptiva e, com humildade”.

Já Carla Assumpção citou a palavra propósito apontando os muitos desafios pelos quais já passou, as parcerias ao longo da vida e necessidade de valorizar que não se faz nada sozinha.

E como mulheres e líderes dentro do mercado de moda, beleza e acessórios há sempre a pergunta: como equilibrar todos os papeis femininos de executiva, mãe e mulher?

Para Silvia, não dá para ser perfeita em tudo, por isso deve-se ter equilíbrio, sensibilidade e empatia com outras mulheres também. A fala foi seguida por Carla, que apontou a culpa que sentia por não fazer “nada direito”, mas vê como a filha, agora adolescente, tornou-se uma parceira, sem traumas pela mãe não estar tão presente, mas feliz e realizada com seu trabalho. Shana afirmou que é importante o marido também ajudar igualmente com as tarefas, mas concorda que a mulher se culpa mais por estar longe dos filhos.

Fonte: Vanessa de Castro | Fotos: Reprodução / Instagram