Novo CEO da Guess busca retorno triunfal ao mercado denim

Atuando mais uma vez como CEO da Guess desde janeiro, Carlos Albertini tenta implantar uma novas estratégias na companhia. O executivo buscou se reunir com analistas após a publicação dos últimos resultados financeiros da marca americana, que encerrou seu ano fiscal com um aumento de 10,4% no faturamento em relação ao ano anterior, indo de 2,36 bilhões para 2,61 bilhões de dólares. Entre tantos desejos, um se sobressai: a intenção retornar com força ao segmento denim.

O mercado jeans foi um trunfo e tanto para a Guess nas décadas de 1990 e 2000. Ainda de acordo com o CEO, a ideia é retornar ao auge prezando o desenvolvimento da marca com a criação de produtos e otimização da distribuição. “O denim sempre foi o foco das nossas coleções e uma categoria de produto importante para a Guess”, disse Albertini ao Fashion Network.

“Hoje, nossa penetração neste mercado é menor em relação ao nosso desempenho histórico e acredito que podemos voltar a esses patamares mais elevados com um mix de produtos maior, um merchandising forte e um marketing eficaz. Isso também se aplica a outras categorias de produtos: Marciano, nossa linha masculina, e acessórios, especialmente as bolsas, em todos os canais e mercados”, completou.

Albertini ainda ressaltou a complexidade do jeans, e garantiu que nada será deixado de lado. “Os modelos, tecidos, lavagens, cortes, assim como o estilo, sem esquecer do nosso viés da moda. Outro ponto importante é a apresentação dos produtos na loja. Mas em nossos pontos de venda, não vemos que somos uma marca de jeans essencial como poderíamos ser. Isso deve e vai mudar, apresentando os produtos de forma mais eficaz. O denim é um dos produtos que ninguém compra sem experimentar. Isso dá às nossas equipes de vendas a oportunidade de interagir com nossos clientes a longo prazo e fazer vendas adicionais”, afirmou.

Albertini esteve a frente da Guess como presidente e diretor de operações do entre os anos 2000 e 2010, tendo retornado ao grupo americano após a saída de Victor Herrera. O executivo havia deixado a companhia nove anos atrás para se tornar co-CEO da Restoration Hardware e, posteriormente, chegou a ser presidente e diretor executivo da Lucky Brand.

Com quase uma década de ausência, Carlos Albertini reconhece que a marca deve se readaptar ao mercado denim atual. “É claro, o impacto global do e-commerce sobre as vendas e o comportamento de compra dos consumidores hoje têm sido muito importantes e, acima de tudo, muito difíceis de integrar para inúmeras empresas. Além disso, o desenvolvimento de produtos mudou significativamente na indústria”, apontou.

“A maioria das marcas tentou ir mais rápido em seu desenvolvimento. Quando você gerencia uma marca como a Guess, que opera em diferentes canais de distribuição, o desafio da velocidade é ainda mais significativo. Fizemos avanços nessa área e ainda vamos melhorar trabalhando, por exemplo, na digitalização da cadeia de suprimentos. Há cada vez mais inovações tecnológicas para nos ajudar a ter um melhor desempenho e essa é uma das nossas prioridades”, encerrou o CEO.

Fonte: Redação | Foto: Divulgação