O que a Kingpins trouxe de novo para o denim

Recordes de audiência nos dois dias de evento e recordes de expositores. Juntos, estes dois fatores tornaram a mais recente edição da influente Kingpins Amsterdam, um evento “must-see” para os entendidos do universo denim. Diversos eventos contribuíram para esse resultado. Entre eles, o anúncio da alteração do nome Tavex – Evlox, a comemoração do aniversário de 80 anos da fabricante Candiani, e os 65 anos da Orta denim. Todos, endossando a escolha do evento como ponto de encontro estratégico para os experts do segmento.

O foco principal do agrupamento de tecelagens, fabricantes de acessórios e químicos foi a sustentabilidade e o perfil eco-friendly. Discurso “dito” pelas empresas através do lançamento de tecidos confeccionados a partir de misturas com fibras de roupas descartadas pelo consumidor, reiterado pelo emprego de tecnologias menos poluentes e elevando em importância, pelo patamar dos expositores. Artistic Fabric Mills, Artistic Milliners, Berto, Bossa, Calik, Canadiani Denim, Cone Denim, Denim Expert, Desert Studio, Lycra, Metalbottoni, Tejidos Royo, Tavex-Evlox e Tencel estavam entre os influentes presentes – entre muitos outros.

No quesito “novos jogadores’, a Kingpins trouxe a estreante Neela Denim, manufatura com apenas dois anos de trajetória descendente do grupo multinacional Sapphire, que está produzindo variações de denim com visual vanguarda. Também o especialista em produtos químicos Rudolph Group, que assim como o mercado nacional está seguindo o caminho dos acabamentos mais voltados para a preservação da fibra do elastano. E ainda, a Elleti, lavanderia Italiana que apresentou uma série de reproduções fiéis às peças em denim históricas do arquivo Levis, datadas do período 1900 à 1930. Já a Panama Trimmings lançou dois novos conceitos de marcas – Viridis e G-Label. Viridis é a marca feitas com couros livres de origem animal, obtidos a partir de fontes vegetais. Já a G-labels trabalha estampas tridimensionais, obtidas a partir de uma tinta especial de grafite reciclado.

Mas não parou por aí. Cone denim lançou uma série de denim com 6 a 10% de seda na composição. Também uma variação eco-friendly do produto S-Gene. Um denim com fio especial feito com núcleo interno de fibra pet e recoberto por algodão. Já Artistic Milliners, desenvolveu o Frenchie, uma nova série de tecidos no estilo “urban-chic” e “casual-cool”, caracterizadas por misturas de acabamentos foscos e brilhantes – ideais para os fits slim femininos, blazers, shorts e até trench-coats. E a Artistic Milliners, apresentou o The Super Charged Noir, um black denim especial que não perde a intensidade da cor, com toque suave – que agrega as tecnologias Cordura e Tencel.

No tópico tendências, a Calik denim mergulhou nos anos 90. E através da década, promoveu um resgate à atitude e ao universo skatewear da silhueta baggy masculina – propondo seu toque macio também para as araras femininas. O denim colorido foi outro ponto alto da estação tanto na Calik quanto na Bossa, com tingimentos de roupas como amarelo luminoso e vermelho tijolo figurando entre os mais fortes para a temporada. Em seguida, o rosa apagado e o lavanda. Por fim, acinzentados, terrosos foram tons assíduos no mix do fabricante Berto; somados ao white denim oferecido com complementos de lurex, e xadrez em diversos tamanhos.

Fonte: Vivian David | Fotos: Reprodução