O que vai acontecer com o setor denim nos próximos cinco anos?

Buscar previsões e traçar metas pessoais é uma das tarefas mais motivantes desta época, quando findam-se os recessos. E o calendário anual oferece um ano inteiro para “chamar de seu”.  O mesmo vale para nosso imenso mercado azul, e nada melhor do que buscar pesquisas confiáveis para embasar as estratégias futuras. Pense consigo mesmo, qual é a sua meta de evolução para os próximos cinco anos? De acordo com a Just-Style, a resposta do mercado do denim global é igual a 60 bilhões de dólares.

Segundo pesquisas realizadas no setor de vestuário global ao final de 2018, este expressivo número constitui a projeção do crescimento do mercado global até o ano de 2023. Dentro deste contexto, sustentabilidade e algodão orgânico continuarão figurando como as maiores tendências do setor.

A mesma pesquisa indica que as dimensões do mercado de jeanswear mundial ultrapassará a marca de 2 bilhões, graças a um crescimento de 4,9% estimado para o mercado denim e jeans global nos próximos cinco anos. O contexto otimista ainda prevê que os Estados Unidos ocupará a liderança em termos de dimensões de mercado, seguido pela China.

A análise identifica uma mudança no mercado chinês: quase metade da produção deverá permanecer no próprio país ao invés de ser exportada. Somado a isso, cerca de 22% dos jeans fabricados na China tende a ser negociado fora dos mercados tradicionais do varejo, em troca de bens ou serviços ao invés de moeda.

Os números são bons, percentuais são assertivos. Mas as vezes as afirmativas são as responsáveis pelas tomadas de decisões. É preciso sinalizar que o estudo ilustra a tendência dos consumidores  de optarem pelo denim, que está ligada tanto à qualidade como a autenticidade e legado ao longo deste período.

Além disso, é pertinente sublinhar que o estudo anunciou que ao mesmo tempo em que a tendência do algodão orgânico terá força, o uso do material deve diminuir entre as marcas que desenvolvem jeans. Em uma breve analogia com Chanel, significa que menos, com mais qualidade, definitivamente soará como mais.

Concomitante à esse cenário, os fabricantes serão pressionados à adotar processos mais amigos do meio-ambiente ao longo das suas operações e da cadeia produtiva, com as pesquisas simulando como estas demandas poderão ser atendidas em um cenário de baixo crescimento e uma grande quantidade de desafios. Decisões de marketing e investimentos pensadas para este contexto deverão ser decisivas.

A América do Sul foi apontada pela Just-style como mercado detentor do crescimento mais acelerado, com um ritmo de 12,1%, enquanto o restante do mundo ( todos os mercados exceto America do Norte, Europa, Turquia e América do Sul), ostentam o percentual de 19,7%.

Mas de todas essas previsões, o otimismo e orgulho maior para o setor nos próximos 5 anos, será a manutenção da posição única que o setor denim global ostenta. De acordo com o autor do relatório, a categoria continuará se diferenciando por superar as tendências, permitindo que os consumidores comprem qualquer tipo de jeans, e que tenham espaço para “preferir” sem estar fora de moda. Esta parte, convenhamos: não representa nenhuma surpresa para o segmento; pois sempre foi prioridade incondicional, desde a época em que five-pockets deixou de ser uniforme, para se tornar escolha de moda.

Fonte: Vivan David | Foto: Reprodução