Omnichannel: O novo canal de vendas dentro do mercado de moda

Durante a última edição do Senac Moda Informação, Daniel Milaré, diretor da marca Amaro, abordou o elo e a importância entre os canais físicos e online, que é uma das grandes tendências do varejo. A Amaro é uma marca digital de moda que oferece as últimas tendências a preços justos, aliando produção própria e margem de lucros menores.

Segundo Daniel, a compra precisa ser fácil de ser realizada, por isso investiram muito no site e sua visualização, tanto no computador quanto nos smartphones, atualmente muito utilizados. Outro diferencial é a entrega expressa, em até 2 horas e meia, dependendo do local. O consumidor também decide como quer trocar o produto, se for necessário. Ele pode enviar pelo correio, trocar nas lojas físicas ou alguém da empresa retira em seu endereço. “Temos que facilitar ao máximo a vida do consumidor para que ele volte a comprar”, disse Daniel.

Seus Guides Shops – são 13 em 3 cidades – são espaços inovadores onde há o conceito de imersão digital e não há grandes estoques. Logo que o cliente entra na loja já pode avistar computadores. As vendedoras são consultoras que ajudam na escolha do melhor look e tem cadastrados todos os dados do consumidor, desde qual foi a última compra, até seu estilo pessoal. Além disso, nos provadores há tablets onde é possível pedir qualquer modelo para experimentar. Há ainda contadores de fluxo também nos provadores, que visualizam quem é a pessoa (se for cadastrada no site), sabe quais peças ela levou para o provador e quais comprou. Segundo Daniel, as lojas precisam ser uma extensão da Amaro.com no mundo físico. 50% das trocas são feitas no Guide Shop.

A Amaro também promove ações em seus espaços, como aulas de yoga, cartões distribuídos no dia das mulheres, inauguração com influencers digitais, maquiagens no Carnaval, entre outras.

Uma das principais vantagens das lojas físicas é levar o produto na hora, o prazer imediato e poder experimentar, porém o consumidor pode encontrar filas no caixa, o que muitas vezes, o faz desistir da compra ou ainda pode não encontrar o modelo preferido no seu tamanho porque o varejo tradicional costuma manter estoques antigos e grades quebradas. É muito mais fácil operar quando se tem um estoque central como nas lojas online. Além disso, é preciso renovar os produtos semanalmente, não há mais como fazer somente quatro coleções anuais.

Outro assunto discutido no evento é a forma de abordagem das consultoras de vendas nas Guides Shops. É importante estar presente sem ser chato, tudo depende do perfil de cada pessoa. E contratar o número suficiente de consultoras para atender o movimento esperado de cada loja.

“O mercado está passando por uma grande transformação e quem não evoluir vai acabar morrendo. O varejo físico não vai deixar de existir, uma coisa não exclui a outra”, afirma Daniel. Segundo ele, 13,6% dos consumidores compram online, portanto ainda há um fatia de consumidores muito grande no varejo físico.

Ele comentou também a diferença entre multichanel – que é servir o cliente através de todos os canais disponíveis, e omnichanel – o cliente no centro de uma experiência completamente integrada (seamless).

Confira as transformações do Profissional de Varejo do Futuro.

Antes Depois
1. Operacional 1. Estratégico
2. Engajado com a comissão 2. Engajado com um propósito
3. Decisões baseadas em experiência, tentativa e erros 3. Decisões baseadas em dados e análises
4. Atendimento mecânico 4. Atendimento personalizado
5. Desconectado 5. 100% conectado
6. Poucas ferramentas 6. Dispositivos móveis, softwares de gestão e produtividade
7. Conhecimento básico de moda

 

7. Conhecimento de moda atualizado periodicamente

Fonte: Vanessa de Castro | Fotos: Renato Souza – Soul Art