Parceria entre Target e NASA leva algodão sustentável para o espaço

O universo é uma constante revelação para a humanidade. Até hoje nenhum cientista conseguiu determinar o tamanho do espaço, já que não é possível saber se há algo além do que nossos telescópios mais potentes conseguem observar. Devido a isso, quão improvável seria imaginar que um laboratório em órbita poderia ajudar a melhorar as práticas agrícolas na Terra? Pois a NASA, junto com a Target, aceitou o desafio e desenvolveram uma parceria para estimular os avanços tecnológicos na produção de algodão.

A aliança da varejista norte-americana com o “Center for the Advancement of Science in Space” (CASIS) e a estação espacial (ISS, em inglês) da NASA, pretende encontrar meios de tornar o processo de cultivação mais sustentável. De acordo com os promotores do desafio, o papel da ISS nessa iniciativa é explorar a vantagem da alta altitude e, por meio disso, dar à comunidade agrícola perspectivas únicas sobre a produção de culturas sustentáveis e a utilização de água, conforme comunicado oficial do CASIS, responsável pela administração da estação espacial. Além disso, os pesquisadores poderão usar o ambiente de microgravidade da estação para estudar como o algodão responde a diferentes ambientes e condições.

O projeto, intitulado “Cotton Sustainability Challenge”, foi anunciado em julho do ano passado, durante a Research and Developmente Conference da NASA, em Washington-EUA, por representantes do CASIS, disponibilizando até um milhão de dólares em financiamento. “Estamos ansiosos para trabalhar ao lado da Target e dos nossos pesquisadores, enquanto estes se preparam para enviar projetos inovadores para o nosso laboratório em órbita”, afirmou a diretora de inovações comerciais e parcerias estratégicas do CASIS, Cynthia Bouthot, ao portal just-style.com.

Alguns projetos já foram selecionados, entre os quais está uma plataforma de inteligência artificial personalizável da empresa Upstream, denominada “Best Management Practice Assessment and Real-time Monitoring”. A plataforma utiliza dados recolhidos pelos satélites de observação da Terra para informar e capacitar os setores públicos, corporativos e sem fins lucrativos, afim de orientá-los na tomada de decisões relacionadas a utilização e preservação da água. Um segundo projeto, criado pela Universidade de Clemson, na Carolina do Sul, recorre à genética para examinar expressões, padrões de metilação* do DNA e sequências genômicas** de três diferentes culturas de algodão.

Toda essa iniciativa faz parte do compromisso assumido publicamente pela Target há mais de um ano, onde se propôs a produzir um algodão mais responsável e sustentável. Desde então a marca tem avançado em várias áreas, incluindo produtos florestais, químicos, embalagens e erradicação do trabalho escravo. Agora, o objetivo da varejista é que, até 2022, todo o algodão utilizado, seja 100% sustentável. Isso porque o material é componente essencial de muitos dos seus produtos, tornando a empresa uma das maiores utilizadoras da fibra em solo norte-americano.

De acordo com o site do CASIS, 23 milhões de toneladas de algodão são produzidas anualmente, e para obter apenas um quilo do produto, são necessários entre 10.000 e 20.000 litros de água. Por isso, o centro de avanço da ciência no espaço está incentivando pesquisadores da área a apresentarem propostas nas áreas da reologia*** e dinâmica de fluídos no espaço, em particular, da água. De acordo com a declaração, “esses estudos podem conduzir uma melhor compreensão das formas de melhorar a sustentabilidade no terreno”.

*metilação: A metilação do DNA é um tipo de modificação química, que pode ser herdada e subsequentemente removida sem mudar a sequência original

**genômica: ramo da genética bioquímica que engloba todo e qualquer estudo do genoma, conjunto de genes de um organismo.

***reologia: É o ramo da física que estuda a viscosidade, plasticidade, elasticidade e o escoamento da matéria, ou seja, um estudo das mudanças na forma e no fluxo de um material, englobando todas estas variantes.

Fonte: Portugal Têxtil | Fotos: Reprodução