Pepe Jeans sela acordo por dívida e desenvolve novo plano de negócios

Pepe Jeans se aproxima do segundo semestre deste ano com boas novas. A marca espanhola conseguiu refinanciar sua dívida com o banco, referente a um empréstimo sindicado. Com isso, o grupo garantiu um novo plano de financiamento a longo prazo.

Segundo comunicado da própria Pepe Jeans, o refinanciamento é referente a seu empréstimo sindicado com 14 instituições financeiras, numa operação codirigida pelo BBVA, Banco Santander e Caixabank.

A estratégia foi apoiada pelos acionistas da empresa, que aprovaram um aumento de capital “para fortalecer a solvência do grupo e a capacidade financeira necessária para implementar os planos de crescimento das suas diferentes marcas”.

O comunicado ainda ressalta que a operação “irá conceder flexibilidade ao grupo e permitir que este se concentre no seu plano de negócios, iniciado neste exercício fiscal, para consolidar o crescimento das suas marcas nos seus principais mercados, implementar o seu plano de digitalização e adaptar-se às mudanças que se verificaram na indústria de retalho e às expectativas do consumidor”.

Do ponto de vista de Carlos Ortega, fundador, acionista e CEO do grupo, “este acordo reflete o compromisso e o apoio das instituições financeiras e dos acionistas do grupo”.

A Pepe Jeans tem a sua sede operacional em Barcelona, ainda que tenha o Reino Unido como seu principal mercado. Parte do grupo de investimento libanês M1 – do multimilionário Najib Mikati – desde 2015, a empresa entrou em perdas em 2017, quando registrou um prejuízo de 13,11 milhões de euros (mais de R$ 55 milhões).

No início de 2019, o grupo contratou o banco de investimento Rothschild e a consultora McKinsey para reduzir os seus gastos e refinanciar a sua dívida, e também conseguiu que a L Capital, o fundo de capital de risco da LVMH, injetasse dinheiro na empresa para facilitar o seu refinanciamento.

Fonte: Redação | Foto: Reprodução