Pesquisadores desenvolvem método ecológico de tingimento têxtil

Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Georgia, nos Estados Unidos, está desenvolvendo um novo método, mais ecológico, de tingimento têxtil. Através da inovação é possível não só reduzir drasticamente a quantidade de água usada, mas também diminuir as descargas de químicos tóxicos.

O projeto é desenvolvido por Anuradhi Liyanapathiranage, estudante de doutoramento da Faculdade de Ciências da Família e do Consumidor, juntamente com membros do corpo docente da faculdade como Sergiy Minko e Suraj Sharma. O método inovador envolve o uso de nanofibras celulósicas, que funcionam como portadoras do corante, em vez de ser o têxtil em si.

Um dos aspetos essenciais da nova técnica é a conversão de celulose, um polímero facilmente encontrado na parede celular das plantas, numa espécie de hidrogel, através do processo conhecido como homogeneização.

Os investigadores começaram por explorar o facto de as nanofibras de celulose terem uma superfície com maior reatividade do que as suas homólogos de algodão, o que poderia potenciar uma adesão mais eficaz às moléculas de corantes. Através deste processo, conseguiram também reduzir a quantidade de água necessária para o tingimento.

Para um quilo de algodão, o tingimento pode ser feito com apenas 1,9 litros de água, em vez dos tradicionais 19 litros, ou seja, uma redução de 90%. Além disso, conseguiram diminuir as descargas de químicos tóxicos em 60%.

Em comunicado, Anuradhi Liyanapathiranage garante estar entusiasmada com o potencial que a inovadora técnica poderá ter para a indústria têxtil. O próximo passo? Escalar o processo para o tornar aplicável na produção industrial. “Com as tendências emergentes relacionadas com a poluição ambiental e o crescimento da população, as tecnologias sustentáveis são essenciais para atingir um desenvolvimento socioeconómico viável”, assegura.

A pesquisadora afirma ainda estar “confiante que o projeto de investigação terá uma contribuição direta para o desenvolvimento sustentável e que conseguiremos ter um impacto significativo no mundo com as nossas inovações e descobertas”.

A indústria têxtil, que gera um quinto da poluição industrial de água, utiliza mais de 20 mil químicos, incluindo metais pesados e outros compostos nocivos, de acordo com o Natural Resources Defense Council. A produção têxtil usa também grandes quantidades de água. Segundo a Ellen MacArthur Foundation, são usadas anualmente pela ITV cerca de 94 biliões de litros de água, contribuindo para problemas em regiões com escassos recursos hídricos.

Fonte: Portugal Têxtil | Fotos: Reprodução