Política e Redes Sociais moldarão as tendências do Denim em 2019

A chegada de 2019 aguarda direções moldadas pelos próprios consumidores e pelo ambiente em que são rodeados. E por ambiente, falamos também da política e formação de novas opiniões engajadas. Nessa onda, o mundo da moda recebe força e coragem através da leitura de silhuetas flare para elas, e justas para eles. Essas junções podem parecer desconectadas à primeira vista, mas segundo a Trend Council, empresa de pesquisa de tendências, com sede em Nova Iorque, a análise das tendências comportamentais dos consumidores atuais nos leva a essas e outras conclusões determinantes para o segmento.

De acordo com a pesquisa, enquanto a conexão entre o denim e a política oscilou entre atração e a repulsão ao longo da história, em 2019 ela será uma busca constante. O motivo, é a influência e aproximação da eleição presidencial americana, bem como a necessidade das gerações mais novas formarem opinião. “Existe toda uma geração que está se manifestando e ganhando voz acerca do que está acontecendo ao redor do mundo”, afirmou Mitchell Kass, proprietário e diretor criativo da empresa.

É intrigante pensar que no Brasil vivemos um momento parecido. As eleições acabaram, mas a expectativa da posse e a mudança de visão de governo, colocam o comportamento político e crítico como uma importante influência nos gostos e preferências atuais. Tanto nos gostos e preferências dos jovens quanto das gerações mais maduras.

De acordo com a pesquisa, tanto os Millenials quanto a Geração Z tem a tendência de seguir as pegadas das gerações mais novas dos anos 60 e 70, que tomaram atitudes corajosas na luta contra o racismo, injustiças, direitos da mulher e protestaram contra a Guerra do Vietnam. Da mesma forma, a moda também seguirá.

Todo esse contexto, de acordo com a Trend Council, deverá impulsionar ainda mais o uso da flare e cropped flare pelo público feminino. Enquanto isso, a silhueta masculina estará se movendo para cortes mais justos com bainhas exageradas. Referências históricas mais ousadas, vão estar presentes nas lavagens. Como exemplo, de acordo com a companhia Nova Iorquina, teremos a alta dos tratamentos ácidos, por enzima e dos tingimentos tie-dye.

Nós estamos de um momento “raw denim” para algo um visual estilo “Woodstock”, afirmou Mitchel Kass, proprietário e diretor criativo do Trend Council. “Logo, o contexto aponta para uma alta de tudo o que remete ao feito à mão e ao design único”, afirmou. “É uma direção artesanal, acrescentou, que desafia as grandes empresas, especialmente as com manufatura em escala expressiva.

Uma das direções mais notáveis percebidas no ambiente digital do Instagram, de acordo com Kass, é o orgulho pelo look que não remete à produção em massa. De acordo com ele, este é o principal caminho. A moda se tornou democrática, em parte graças aos canais de mídias sociais como Instagram, que permitem que imagens de pessoas comuns se espalhem pela rede com estilo equivalente ao de celebridades, modelos e blogueiros de moda.

Outra afirmativa importante colocada pela pesquisa, se refere aos blogueiros. De acordo com a trend council, eles tendem a reduzir sua influência e importância. E a motivação não partiu das celebridades ou personalidades que o administram, mas sim com os usuários de Instagram. Pois é ali que os designers devem buscar suas referências, e definir uma lista direcional a ser seguida.

O rastreamento das tendências nas mídias sociais representa a principal conexão para a criação. As pessoas, de acordo com a pesquisa, são a inspiração. “Acompanhar o modo como elas se vestem é uma forma de tornar a moda mais acessível e aberta à criatividade”, argumenta o diretor. As mídias sociais, nesse contexto, representam a ferramenta responsável pela manutenção do streetwear de luxo em alta em 2019, se estas estiverem preparadas, conclui.

Fonte: Vivian David | Fotos: Reprodução