Renner atinge faturamento de R$ 1,7 bilhões em 2018

Segundo relatório divulgado pela rede varejista Lojas Renner, 2018 foi um ano extremamente positivo. Acontece que a companhia registrou um lucro líquido de R$ 194,2 milhões apenas no terceiro trimestre, um resultado que estima uma melhora de 38,4% em comparação com o ano de 2017. Seria esse o indício de que a crise financeira que assola o país dará uma trégua ao setor de vestimentas?

A expansão no varejo foi de 0,4 ponto percentual para 54,3%, junto ao crescimento superior da receita frente às despesas e o melhor resultado financeiro puxou o lucro líquido. O balanço anterior havia se impulsionado por uma menor alíquota efetiva de IR e pelo reconhecimento de R$24,7 milhões, referentes à decisão judicial em relação à dedução fiscal do Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT).

“Foi um bom terceiro trimestre, com crescimento robusto, em vendas mesmas lojas, num ritmo acima da inflação. Mesmo em um ambiente ainda de baixa atividade econômica, conseguimos ganhos de margem e maior controle de despesas”, afirmou ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, o diretor Financeiro e de Relações com Investidores da Lojas Renner, Laurence Gomes.

Com o ajuste, o Ebitda somou até o terceiro trimestre R$ 347 milhões, que representam alta de 15,9%, em expansão de 0,5 porcentual, para 20,3%. Somente nas operações de varejo, o ajuste avançou 29,3%, para R$ 260,3 milhões, com uma margem 1,9 ponto porcentual superior (15,2%).

Além disso, se tratando da receita líquida das vendas de mercadorias as Lojas Renner alcançaram R$ 1,711 bilhão, com crescimento de 13,1%. Já as despesas operacionais avançaram em ritmo inferior, de 12,6%. No conceito mesmas lojas o terceiro trimestre expandiu 6,9%, valor abaixo do observado no mesmo intervalo do ano passado, que foi de 13,4%.

O executivo apontou que as vendas em outubro estão “alinhadas às expectativas e ao planejamento”. “O terceiro trimestre foi um período em que as vendas foram melhorando mês a mês”, comentou. Gomes afirmou ainda que o ambiente competitivo esteve “saudável”, contribuindo para que empresa mantivesse “uma política coerente de preços” e sem remarcações.

No lado do resultado financeiro, a Renner registrou uma queda de 18,1% nas despesas líquidas, que atingiram R$ 17,5 milhões. A diminuição foi consequência da redução no custo de financiamento e do endividamento estrutural. A variação cambial foi positiva em R$ 800 mil, ante um resultado negativo de R$ 500 mil de um ano antes.

O endividamento líquido encerrou o terceiro trimestre em R$ 799,4 milhões, frente a R$ 842,1 milhões no término do mesmo período de 2017. A relação entre a dívida líquida e o Ebitda ficou em 0,49 vez, ante 0,58 vez na comparação anual.

Fonte: Redação | Foto: Reprodução