SENAI CETIQT reformula grade curricular dos cursos de graduação para atender necessidades tecnológicas da indústria têxtil

O mercado de trabalho permanece cheio de inovações, e já não é permitido estar desatualizado em meio a tantas tecnologias. Diversas pesquisas mostram que novas profissões vão surgir ao longo dos próximos anos, enquanto outras vão passar por transformações. Você já parou para pensar de que forma irá acompanhar todas as mudanças que vêm por aí no mercado de trabalho?

Para atender as demandas do mercado por profissionais qualificados, o SENAI CETIQT abriu inscrições para atuantes e ingressantes dos setores de moda, têxtil, confecção e química, nos cursos de graduação em Design de Moda e Engenharia Química. A novidade é que ambos foram reformulados em suas grades curriculares, de acordo com as necessidades do mercado de trabalho.

Com a intenção de oferecer uma grade curricular adequada a comissão de educação do CETIQT reuniu players da indústria têxtil e química para entender profundamente as reais necessidades e dificuldades na obtenção de mão de obra qualificada. Que tipo de profissional é mais demandado e em quais especializações? A partir daí, foram criadas novas disciplinas e metodologias de ensino a fim de formar profissionais completos para atuar nas corporações.

“Buscamos um direcionamento estratégico para a Educação. Queremos continuar sendo referência na capacitação de mão de obra para a indústria química e de moda. A indústria sabe que os melhores estão e estarão aqui”, afirma o diretor-executivo do SENAI CETIQT, Sergio Motta.

Nas novas grades curriculares, já disponíveis para os alunos que ingressarem no SENAI CETIQT em 2019, buscou-se uma interface maior com softwares e novas tecnologias. Além disso, a forma de aprendizagem mudou. A diferença do novo currículo é a metodologia. Ao invés de disciplinas, haverá unidades curriculares, permitindo assim que os alunos tenham acesso ao conhecimento de uma forma integrada, a partir de situações reais que eles encontrarão na vida profissional. A ideia é desenvolver habilidades por meio de projetos que instiguem os estudantes e promovam uma participação ativa.

“A faculdade tem a preocupação constante com a plena formação do aluno, dando a ele uma visão ampla de todo o processo produtivo, ao conhecer todas as etapas e logísticas, frente a uma economia global e um mercado flexível”, explica o gerente de Educação, Robson Wanka. Segundo Wanka, por ser um Centro de Tecnologia, a proposta da faculdade é de integração total com as áreas de pesquisa e inovação dos institutos locais.

Atuando há 70 anos em Educação e referência nas áreas de vestuário e química do país, a instituição conta com duas unidades: Barra da Tijuca e Riachuelo. Tem infraestrutura com laboratórios completos usados para fins didáticos mas que também oferecem serviços tecnológicos de ponta; além de promover ações educacionais integradas. As duas plantas piloto nos moldes da Indústria 4.0 – Confecção 4.0 e Fashion Lab – reproduzem o ambiente produtivo industrial, possibilitando o desenvolvimento de projetos de inovação em processo e produto.

É possível ingressar nesse time de futuros profissionais preparados para a indústria da moda por meio de prova agendada, usando a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) – não menos de 450 pontos –, ou ainda por transferência externa. Quem já concluiu um curso de graduação pode entrar como portador de diploma. As inscrições podem ser feitas até 4 de fevereiro pelo site: https://cursos.cetiqt.senai.br/graduacao.html?

Fonte: Redação | Foto: SENAI CETIQT