Versão afro para o denim na Edit Magazine

Mulheres jovens e lindas escoradas sobre motocicletas empoeiradas de aventura. Ok, tudo isso já foi visto e explorado nos editoriais de moda com muito couro e jeans. Mas, quase sempre com uma protagonista branca. A pele negra vinha passando longe de temas como este, tão atrelados à coragem, ideal de beleza e senso de liberdade. Pois é justamente esta, a história narrada pela Edit Magazine.

Na edição de janeiro da revista, o tom de pele black inspira o acabamento índigo envelhecido como aspecto principal. E no meio de um cenário que remete à um mergulho por novas culturas, temos o denim modificado por faixas de teares, mantas étnicas, e formas oitentistas. Em diversas aparições, o material se destaca no formato combo, dialogando com mantas, jaquetas na cartela marrom emperator, couro, maxi camisas listradas, e suéteres de lã rústicos.

Na versão conjunto total denim, temos a jaqueta muito ajustada, em um styling que dispensa camadas internas, combinada ao shortinho de cintura elevada ou junto à calça reta. Também a formação blusa peplum com mix de tecido na carcela, junto ao jeans com barra fashionista. Já os fits carrot e boyfriend, aparecem na publicação em textura perfurada e tingimento esverdeado padrinho, respectivamente.

E é muito bom ver um veículo fashion, jogar esse tipo de olhar para a mulher negra, especialmente, em composições que destacam o look denim. Ampliam-se os tons de pele referenciais, enriquecem-se as referências para as lavagens e efeitos do nosso segmento. Muitos puídos, muitos efeitos lixados e de desbotamento – aquele vintage nobre com expertise. Esse, também veste como ninguém a pele negra e morena.

FONTE: Vivian David | Fotos: Matthew Sprout