Abvtex aponta dificuldade de acesso ao crédito pela cadeia produtiva

A Associação Brasileira do Varejo Têxtil (Abvtex), entidade que reúne mais de 100 das principais marcas do varejo de moda no Brasil, desde o início da pandemia do novo coronavírus tem concentrado esforços para identificar as demandas junto à cadeia produtiva de seus associados e  levar propostas ao governo.

Neste cenário, a entidade promoveu uma pesquisa, encerrada final de junho, destacando as dificuldades que as micro e pequenas empresas – que representam 97% desta cadeia produtiva – enfrentam para ter acesso ao crédito. Apenas 5% afirmam que estão utilizando a linha de crédito do Programa Nacional de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Pronampe).

Entre as 95% empresas que não tiveram acesso à linha de crédito, 31% alegaram que o perfil da empresa não pode utilizar o Pronampe, 27% afirmam não conhecer o Pronampe e 11% dizem que o banco em que houve a procura por esta linha de crédito do Pronampe desconhece este produto.

Outros 11% apontam que não têm interesse, enquanto 8% estão aguardando a análise do banco e 7% receberam a informação de que o banco em que houve a procura não está habilitado para esta linha de crédito. Além disso, 5% alegaram que o banco em que houve a procura pela linha de crédito do Pronampe ofereceu outro produto.

A Abvtex afirmou que tem se reunido com representantes do governo federal para levar propostas. Uma delas foi relativa à disponibilização de linhas de crédito do BNDES, na modalidade de âncoras, para capital de giro para micro e pequenas empresas fornecedoras por meio dos varejistas.

Vale destacar ainda que, quando questionados de como estão sendo os impactos financeiros da pandemia na empresa, 57% dos fornecedores apontam que são maiores do que os previamente estimados. Já 24% alegam que ainda não sabem, pois os impactos são incertos, sendo 13% os que perceberam os impactos iguais ao que era estimado, e somente 6% notaram impactos menores do que era esperado.

Fonte: Redação | Foto: Reprodução