Tecelagens valorizam a tecnologia e conforto

Cada vez mais as empresas têxteis buscam novas soluções e tecnologias que unem principalmente toque suave, conforto, limpeza e o aspecto rústico eliminando etapas em lavanderia e proporcionando economia de água e produtos químicos – pontos essenciais em meio preocupação com a sustentabilidade. Hoje é possível trabalhar com uma infinidade de opções em tecidos para diferentes segmentos e públicos e com várias faixas de preço. O Brasil sempre consumiu muito denim, mas atualmente busca principalmente peças que valorizam a modelagem, durabilidade e, principalmente a liberdade de movimentos.


O Inverno 2016 confirma e “exige” o elastano em quase todas as peças – algumas chegam com alto power de até 60%, além da mistura de fibras mais nobres com lyocel, modal, linho, entre outras, que confere aspecto suave e clean, principalmente nas coleções com inspiração na alfaiataria de luxo onde o tecido vem sempre em primeiro lugar, sem grandes interferências e com foco na modelagem reta ou com volumes. Empresas como Vicunha, Santista, Canatiba, Santanense, Covolan, Nicoletti Têxtil, Capricórnio Têxtil e Cedro investiram nestes produtos, assim como no denim moletom mesclando o esportivo e o casual.


Em pesquisa por diversas feiras e showrooms observamos a preocupação de algumas empresas em informar seus clientes sobre a importância da tecnologia em seus produtos e, o porquê do valor de cada artigo. Isso é primordial em meio ao mercado fast fashion, onde, às vezes, a qualidade é deixada de lado em meio a tantas novidades e lançamentos. Porém, o denim é uma peça atemporal, seja ele uma flare ou uma skinny, com cintura alta ou mais baixa. Com certeza, pode durar muitos estações e, isso também colabora para aquele tão sonhado aspecto used feito em lavanderias, mas que pode muito bem ser conquistado em casa, no dia a dia, de forma bem mais natural.


Confira as principais tendências para o Inverno 2016.


Tecidos: fios nobres e naturais, mistura de fibras e texturas diferenciadas, como por exemplo o aspecto maquinetado (Canatiba e Cedro), jacquard ou imitação do veludo cotelê, acabamento mercerizado (Nicoletti Têxtil), resinado, visual limpo com leve brilho, toque suave, conforto com elastano, alto power e o mais importante, a recuperação do tecido, sem esgarçar, nem lacear, aspecto “do feito à mão”, white denim, denim em malha moletom, com apelo sustentável utilizando corantes naturais e economia de água, pesos leves, principalmente na linha de camisaria e vestidos, azuis mais intensos, tons terrosos, vinho, mostarda, laranja e vermelho ganham destaque, principalmente com aspecto desgastado.


Lavagens: como as tendências passeiam entre o rústico do denim raw, passando pelo baby blue super limpo nas construções mais elaboradas até o delavê dos movimentos streets, vale tudo em lavanderia, com destaque ainda para os blacks e acinzentados.


Beneficiamentos: vimos menos marmorizados exagerados e mais pontos localizados com reservas de cor, pontos de luz e jogos de contrastes com tie dye ou dip dye. Barrados descarregados também fazem sucesso na estação. Rasgos, puídos, ranhuras, manchas de sujinho, respingos de tinta e patchs continuam com força.


Estampas: gráficas, florais coloridos ou tom sobre tom, folhagens, flocadas, paisley, animal print estilizado, xadrezes e mistura de padronagens. A tecelagem Paranatex Têxtil valorizou bastante o jogo de estampas em bases leves.

VANESSA DE CASTRO | FOTOS: EQUIPE GUIA JEANSWEAR / DIVULGAÇÃO