Tendências da temporada de verão 2014-15

A temporada de desfiles masculinos referente ao verão 2014 (2015 nacional) colocou na passarela propostas frescas, mostrando que o menswear renova-se atualmente, com a mesma agilidade das coleções femininas. A leitura da evolução dos lançamentos voltados ao público masculino, faz-se uma exigência real. Nossa análise prioriza apontamentos “usáveis” para o segmento jeanswear, em consonância com a galeria de imagens, que agrupa uma síntese dos principais apontamentos, em cores, estampas, peças-chave, toques e lavagens para o segmento.


CORES



Algumas cores intensas e vibrantes foram jogadas nas coleções como um toque revigorante de disposição, para atualizar peças simples e usáveis. Nessa proposta, destacaram-se Burberry Prorsum e Phillip Lim, que elegeram tons como o cobalto, o verde esmeralda e o vermelho. No entanto o amarelo na versão firefighter, mostrou-se mais representativo para a temporada. Gucci e Burberry Prorsum mostram a cor como um claro desdobramento da tendência “a call for rain”, que colocou inicialmente o plástico e as capas de chuva nas coleções femininas. Tal “sacada” incluída também para o menswear, encontrou nos trajes de bombeiros o visual adequado para tal conversão, valendo-se de suas renovadoras referências de formas, cores, materiais e peças-chave para o guarda-roupa masculino. Na contrapartida das cores saturadas, algumas marcas apostaram mais em uma paleta arenosa em tons que variaram do bege ao argila, é o caso de Versace, e principalmente Trussardi, que trabalharam um target mais maduro e compenetrado. A cartela terrosa é uma boa “sacada” para temas alinhados em alfaiataria, rústicos ou mesmo étnicos e viris.


ESTAMPAS



Na estamparia, percebe-se como principal diálogo para o segmento jeanswear, os florais botânicos e motivos tropicais. Entre as grifes que apostaram no padrão, destaque para a Gucci e Dries Van Noten. Outro bom visual de estampa, que foi colocado nas coleções, com clara associação ao denim, foram as texturas manchadas simulando efeitos espatulados. Na coleção de Louis Vitton, lembrou bastante o batik, em tons profundos de azul e vermelho. Já a Versace, usou a lógica do ilusionismo, apresentando texturas manchadas multicoloridas e hipnóticas em calças e macacões. No couro, a estampa phytom foi o motivo principal. Na cartela de estampas geométricas o vichy pequeno com jeitão de gravataria, dialogou com as versões mais “estouradas” dos florais, e apareceu em diversas coleções, emprestando irreverência à alfaitaria. Ainda nos padrões geométicos, o “grunge chic” mesclou-se às propostas indianas de Vivienne Westwood, trazendo releituras do xadrez mais estourado e irregular, revigorando de forma distorcida e rebelde os trajes sociais.


PEÇAS-CHAVE



As peças chave propostas para o menswear são um capítulo à parte, numerosas e viáveis, na maioria das situações usa a lógica de elevar o apelo de moda de peças simples e básicas através de tecidos e materiais nobres. É o caso da regata, bermuda simples, t-shirt e camisa com colarinho que renovaram-se por toques emborrachados ou através do couro black ou colorido. O couro, trouxe também conjuntos de alfaiataria, onde o bottom ganhou ribanas na barra mais curta, lembrando o volume da calça de moletom. A jaqueta bomber continua desejável nas coleções, mas o grande lançamento vem das t-shirts de luxo minimalistas, que incluem a gola boba para o menswear, e principalmente casacos e blusas reproduzindo a fisionomia dos fire coats (casacos de bombeiro). Macacões, permanecem uma sólida aposta, com toques emborrachados e resinados. E a unanimidade, que constou em praticamente todas as coleções, foram os sobretudos masculinos, molinhos e frescos com jeitão despojado, ganhando inclusive, versões estampadas florais nas coleções.


DENIM, LAVAGENS E TOQUES



Nos fits, modelagens pijamas foram recorrentes, com cós franzido e amarração na cintura. A modelagem apareceu também formando conjuntos de trajes sociais desalinhados. O blue denim com visual que lembrou toque camurçado, ou emborrachado, apareceram nas coleções de Vivienne e Trussardi. Vivienne, destacou suas peças em jeans também pela formação de blocos de cores com laser, próximo à barra. Outro bom efeito incluído pela criadora, foi o ombré, o sombreado variando do blue ao marrom. Além do azul médio, predominante, o denim foi proposto em black, tons terrosos, e nuances cobalto ou esverdeadas. Algumas marcas incluíram o falso branco, com jeitão de pijama, foi o caso de Andrea Pompilio. Porém em síntese, a grande sacada do menswear, é a lavagem uniforme com toque diferenciado, coated ou emborrachado.


VIVIAN DAVID / FOTOS: REPRODUÇÃO