Leitura de formas e peças-chave do desfile Empório Armani

Definitivamente o denim não está presente no Milan Fashion Week, na mesma proporção significativa de suas aparições nas passarelas de Londres e Nova York. Todavia, é em Milão que encontramos grandes formadores de opinião para o ready-to-wear. A ênfase conceitual das coleções, sincronizadas com o apelo comercial, proporciona uma leitura bastante evidente de formas, volumes, comprimentos, estampas, cores e materiais para as temporadas.


Um bom exemplo é a Emporio Armani, cuja coleção de inverno 2013 (equivalente à 2014 brasileiro) foi buscar inspiração em um simples e antigo artefato da vaidade feminina: o kajal. Para quem não conhece, trata-se de um pigmento que foi utilizado por séculos como maquilagem para contorno dos olhos. A influência das cores representativas da inspiração na coleção é bastante visível tanto nos tons cremosos de pink como nos azuis esfumaçados. Nas formas, referências da cultura japonesa e cinturas Eduardianas.


A alfaiataria masculina, que tem desfilado de forma insistente nas passarelas, também foi explorada, modificando o shape delgado das calças através de cortes circulares. E foi justamente através deste novo “estilo de modelagem” que a marca apresentou sua grande inovação. Curvas e semi-círculos arredondados, conferiram leitura inédita para peças funcionais. Em especial destaque, os conjuntos, formados por “pantalonas cropped” com casacos. Já as peças simples como bermudas e croppeds, reafirmaram o volume de “cone” no entrepernas.


Através de uma leitura direcionada ao jeanswear, destacamos o valor das modelagens includentes de formatos semi-circulares e curvos, como principal elemento de atualização de peças de simples confecção. Calças casuais, pantalonas, e outros shapes amplos são receptivos deste novo estilo de corte que influencia bastante os volumes delgados. Uma informação que já vem sendo identificada também nos tops, como mostramos no editorial “Delicate Denim” da Vogue China. Golas carecas, ombros curvos, são alguns desdobramentos.


Quanto aos “key itens” da coleção, destaque para a volta do “sobretudo” como uma solução de feminilidade para a alfaiataria com visual de indumentária masculina. Uma peça que permite o look mais seguro e formal, e amplia a liberdade na coordenação dos complementos. Também a volta dos conjuntos, totalmente reformulados por novos cortes, e o apelo comercial dos casacos de veludo. Destaque também para as estampas ricas e enfeitadas com apelo de ornamentação.