Referências grunge e literatura britânica na Topman

Do grunge para uma analogia com a tendência artheisure, somada à

sutileza de referências femininas; devidamente adequadas ao menswear pela idéia de

empoderamento. Essa foi a leitura final da coleção de Fall 2016

(equivalente ao inverno 2017 nacional) da Topman, cuja inspiração

mesclou o aforismo característico da literatura britânica de Oscar Wilde, com as

exageradas proporções relacionadas ao skatewear.



Do jeitão culto e poético a apresentação trouxe as camisetas florais molinhas e

charmosas, em fundo escuro e boêmio; combinadas ao jeans boyfriend em lavagem

clarinha. Já no black denim, a Topman apostou nas silhuetas bocas de sino. A rigidez da

calça reta também foi trabalhada, como forma de alongar a silhueta, assim como o

jeans soltão com jeitão de pijama. O jeitão manchado e puído do

delavé desbotado, foi também simulado pelo veludo e suas nuances. A paleta trouxe

desde o nude aos tons terrosos alaranjados, passando pelo azul gasto e surrado: cartela

grunge sobre a qual foram coordenadas peças nas cores vinho, dourado e black em

tecidos nobres.



Enquanto a sobreposição de camadas, e a lavagem desbotada e podrinha induziram à

leitura do pauperismo; os padrões decorativos em cartelas refinadas declamaram

poesias e lirismo. Foram muitas as peças-­chave e direcionamentos:

como os sobretudos molinhos em denim delavé, os combos em lavagens claras, o

posicionamento da calça reta e do conforto dos volumes exagerados como um desejo

(não apenas nas calças como também no outerwear); e por fim, e a indicação de um

importante mix de jaquetas na temporada, diversificado pela aparência de estampas

florais em cores refinadas.