Terceiro dia de desfiles é puro glamour

Iódice

Os vestidos de festa da marca com tecidos leves e decotes vêm para o inverno acompanhados de jaquetas em couro, pantalonas mais curtas e algumas peças em lã. As cores passeiam entre o preto e o branco, com pitadas de laranja.


Juliana Jabour

Mulheres chiques e clássicas com um quê dos anos 90 e suas ombreiras e o despojamento das camisas xadrezes que lembram o movimento grunge e um toque da década de 70 com suas pantalonas e os coques fofinhos das modelos são as apostas da estilista que se apresenta pela primeira vez no SPFW.


Os tecidos variam dos fluídos, como crepe de chine aos tricôs em lindas maxi-malhas, além de moletom de lã e alfaiataria. As calças variam das sequinhas ou flare às mais soltas, porém sempre com a barra virada.


A sarja vem no trench-coat preto com a cintura marcada e mais alongada na parte de trás ou no verde militar com zíperes e pala.


Destaque para as estampas ou bordados de bichos e os florais vintage. Fernanda Lima abriu o desfile com um chemise curtinho e apareceu novamente com um vestido vinho e canutilhos com jaqueta em moletom.


Cori

Novamente os tons básicos de preto e cru invadiram a passarela em vestidos retos e calças sequinhas com influência dos anos 90. Miscelânea de materiais, transparências veladas e tiras que formam um lindo desenho geométrico, além do brilho presente em plaquinhas de metal também fazem parte da coleção.


E como não poderia faltar no inverno, tricôs quentinhos e longos, além de malhas fininhas com losangos, casacos e, blazers ora alongados ora mais curtos.


Uma moda com recortes simples e ultra-chique. A cara da consumidora Cori.


Osklen

Os tecidos tecnológicos e com apelo sustentável, os moletons, os feltros, lãs e couro…tudo estava lá para relembrar os últimos dez anos da marca que sofreu um recente incêndio e resolveu reconstruir das cinzas sua coleção de inverno.


Muitas cores vivas surgem pela primeira vez neste inverno da SPFW, em tons de vermelho, amarelo, laranja e azul, além do preto e cinza. As formas são confortáveis e displicentes com amarrações presas aos modelos como se fossem as mangas de um casaco. Destaque ainda para as enormes golas estruturadas que não vão deixar ninguém passar frio.

Colcci


Mais uma vez causando alvoroço na Bienal, a Colcci levou à passarela a dupla Gisele Bündchen e Ashton Kutcher, e teve ainda em sua fila A a presença da mulher do ator, Demi Moore.


Para a temporada de inverno, a marca substitui as estampas por lisos monocromáticos. Na cartela reinam tons como o antigo azul klein. No jeans, a marca traz tanto peças trabalhadas com muitos efeitos como o denim bruto apenas amaciado.