Agreste Tex 2022 reúne tecnologia e sustentabilidade para indústria têxtil em Caruaru

Na última semana, a quinta edição da Agreste Tex tomou o Polo Caruaru, em Pernambuco. A feira de máquinas, serviços e tecnologias para a indústria têxtil e de confecção reuniu o que existe de mais moderno para o setor, entre novidades em maquinário, aviamentos e soluções tecnológicas, além de levantar pautas sustentáveis no segmento.

Em quatro dias de feira, aproximadamente 7 mil pessoas percorreram os 80 estandes instalados no pavilhão – um crescimento de 15% de visitantes. Hélvio Pompeo Madeira, diretor-presidente do Febratex Group, empresa organizadora da Agreste Tex, celebrou o retorno da feira após três anos e já confirmou uma edição ainda maior em 2024. A expectativa é que, no próximo ano, o evento conte com 1.200 m² de estandes e novidades.

“Esse retorno do presencial foi importante porque as pessoas começaram a ter aquela situação de ‘estamos aqui, queremos vencer e vamos vencer’. Todo esse trabalho que tivemos durante a pandemia tem um resultado percebido pelo próprio expositor que investiu, que acreditou e diz que valeu a pena vir para Caruaru”, comemora Pompeo Madeira.

“Estamos saindo daqui com uma feira renovada, com a garantia de um novo evento em 2024. São ideias novas, novas concepções e conteúdos. É um mercado grandioso. Valeu a pena esperar. Entramos com o pé direito em 2022, e seguiremos em 2023 e 2024”, completou.

Entre as empresas expositoras, a Santana Textiles apresentou dez novos tecidos durante a feira. São eles: Tairon, Aruba, Troia, Bahamas, linha Matrix (composta por três artigos que possuem o tingimento Baby Blue, Blue e Black Blue), Castor Dark, Sucesso e Sucesso Dark.

Na pauta sustentável, a tecelagem desenvolveu linha Sustentare, em que há redução de até 85% de corante índigo no tingimento, economia em 50% de água durante o processo produtivo e diminuição de 66% na geração de carga orgânica no efluente.

“A linha em prol do meio ambiente é composta por nove artigos com composição, construção e gramatura diferentes, atendendo assim as diversas necessidades e demandas dos seus clientes, aliado ao compromisso em garantir a preservação do planeta com o alto padrão de qualidade nos tecidos”, explica a analista de marketing Bárbara Farias.

Houve ainda o lançamento da Wier, a FIBER-X, uma solução tecnológica e sustentável age sobre os efeitos do ozônio no beneficiamento de jeans.

A novidade possibilita uma redução de custos na operação da lavanderia pelo uso do ozônio, atuando como alternativa para o beneficiamento jeans com responsabilidade ambiental, redução do uso de água e energia, menos gastos e inovação tecnológica para quem atua diretamente com o setor têxtil.

“Para nós da WIER, é um compromisso levar inovação tecnológica, que ajude o tão abalado setor têxtil na retomada da economia. Nossos produtos já estão em mais de 20 países. Aqui no Brasil,
ainda temos espaço para crescer. A feira faz parte da nossa visão de expansão via divulgação dos nossos produtos”, afirmou Dr. Bruno Mena Cadorin, fundador da Wier e PhD em química.

A Agreste Tex também ofereceu visibilidade para empresas iniciantes e inovadoras no Startup Corner. No espaço, 15 negócios criativos tiveram a oportunidade de se apresentar ao público especializado.

“A proposta é trazer inovação para a indústria têxtil, um setor bastante tradicional. Queremos unir gerações e mostrar que é possível trazer soluções criativas para o momento que a indústria nacional enfrenta. É difícil falar de um único modelo de indústria têxtil no Brasil. São muitos ‘Brasis” e cada um tem um potencial de crescimento e de inovação enorme. É preciso trazer valor a essa cadeia produtiva e esse valor vem da educação, da inovação”, destaca a diretora-executiva do Febratex, Giordana Madeira.

Em termos de vendas, o evento soma ao menos R$ 300 milhões em negócios durante e no pós-feira também. “Tivemos um movimento muito positivo, fizemos algumas vendas aqui e devemos fechar mais também no pós-evento. Trouxemos novidades em máquinas e automações para jeans e malha e tivemos bastante aceitação”, destacou o gerente comercial da Silmaq, Alex Alves.

Fonte: Thaina Barros | Fotos: Divulgação