Apologia ao despojamento

Em defesa ao despojamento o denim segue sua trajetória explorando como efeito o que outros segmentos da moda um dia já consideraram defeitos. E a aceitação imediata confirma o desejo coletivo de desprendimento, informalidade e transgressão.


Assim ocorreu com furos, rasgos, desgastes e mais recentemente com os efeitos amassados. Os processos de lavanderia e beneficiamento que o produzem – e que inicialmente restringiam-se apenas a área dos tornozelos, joelho ou parte superior frontal formando bigodes – atualmente com frequência ocupam toda a extensão do denim tornando-se a principal informação de moda da peça.


Nas coleções das grandes marcas quanto mais amassado o exemplar mais orgulhoso e seguro de si o mesmo é exibido em stands e vitrines. Tais peças, trazem um humor desencanado e aventureiro e mais do que expostas são literalmente hasteadas como verdadeiras bandeiras de apologia ao despojamento.


Na Guess, as peças masculinas trouxeram efeitos amassados empapelados ocupando toda a extensão do denim. A mesma proposta foi explorada de forma ainda mais corajosa pela Firetrap, Red Oak e Fishbone. Já na Hans Boodt os amassados vieram resinados explorando mais o volume e menos o efeito quebrado.


Em ambos, o resultado foram shapes com texturas quebradas e onduladas carregadas de informações de luz e sombra, comunicando um desleixo descolado que prepara para a atitude.


Já as peças direcionadas para o público feminino da Guess vieram ajustadas da altura do joelho para cima e desajustadas e amassadas do joelho para baixo.


As marcas Ole denim, Blend e Oliver também optaram por utilizar tais recursos em pequenas áreas de suas peças, como abaixo dos bolsos americanos ou na altura do joelho. Confira as fotos.

<BR

VIVIAN DAVID | FOTOS: EQUIPE GUIA JEANSWEAR