Bolso gringo x bolsinho nacional

Bolsos urbanos e recortados, vaidosos e enfeitados, ou românticos e bordados. Independente do estilo, são eles, os bolsos, que fazem o universo denim girar, e mantém elevado o apelo comercial dos fits ou lavagens bem-sucedidas das temporadas anteriores. Enquanto o bolso “gringo” segue um caminho cada vez mais confortável e prático, quebrado em formatos, ou salientando o apelo utilitário por sobreposições, o bolsinho nacional se destaca pela leitura vaidosa, com inteligentes soluções que comunicam preciosismo, sem comprometer a competitividade no preço final na peça.


Nas feiras de Berlim, as grandes referências são dadas pela Diesel Black Gold, Mavi e Sansibar, que encontram novas fisionomias através de recursos como dobras, desenhos marcados pelo embossing, pespontos inacabados e pequenos recortes que simulam posicionamento desalinhado na borda do bolso. A leitura feminina, é dada por fechos com puxadores e o delicado formato cuia, que volta a figurar nas calças acentuando as curvas dos fits mais ajustados. Nas peças oversized, entram as sobreposições, e o experimentalismo alterando o formato original.


Já no cenário nacional, percebe-se recortes similares, pontuados pelo gosto feminino com aviamentos em strass, mix com renda dispensando bordados, e com frequência, a adesão ao bolso embutido, em contornos que favorecem o visual traseiro “empinado” da peça. Em consenso global, figuram as pérolas, como um aviamento em destaque nos exemplares mais delicados. Nossa galeria agrupa imagens de feiras nacionais e internacionais, e imagens do varejo net, para manutenção de um banco de referências passível de auxiliar o desenvolvimento a renovação de modelagens básicas.


ViVIAN DAVID / FOTOS: EQUIPE GUIAJEANSWEAR