Canatiba Denim Experience traz artigos com tecnologia, sustentabilidade e inovação

A Canatiba promoveu, no último dia 19 de agosto, seu evento Canatiba Denim Experience, em versão digital. Nele, a tecelagem apresentou seus lançamentos com foco na tecnologia, sustentabilidade e inovação – tendências que permeiam o momento atual.

São quatro grandes grupos tecnológicos com benefícios como funcionalidade, conforto, respeito ao meio ambiente e performance econômica. A ideia da companhia foi reeditar grandes clássicos com novos tingimentos ou acabamentos.

A linha Smart Denim reúne tecidos funcionais com a tecnologia Everclean desenvolvida para prevenir a proliferação de vírus, bactérias e fungos. O Sarkozy, campeão de vendas da Canatiba vem com 9 oz, 98% algodão e 2% elastano, e ganha uma resina que repele líquidos e um tratamento especial antimicrobial. Esta última novidade também pode ser encontrado no Molly, artigo super leve em 100% Tencel, 4,5 oz, perfeito para camisaria. A proteção diminui consideravelmente a demanda de lavagens caseiras e, por isso, prolonga a vida do tecido.

Já o Terapia surge com composição em 56% de algodão e 44% de viscose, e acabamento HeiQ Viroblock, em sais de prata e vesícula lipossomal. A prata se conecta ao vírus e os polissomas destroem os microrganismos com eficiência de 99%. O tecido foi desenvolvido em seis cores: preto, marinho, azul, verde, vermelho e branco.

A família Tecno Comfort traz artigos de alta performance onde entram o conforto e ajuste perfeito ao corpo, alto power que chega até 80%, além de poder de recuperação e manutenção da forma. Dentro deste grupo, a Canatiba aposta no Maxkin Duo em sete bases com brilho próprio e toque especialmente sedoso. Destaque para o Kizomba, um denim black forever, com peso de 9 oz, em 76% de algodão, 21% poliéster, 11% modal e 2% elastano, e para o Baltazar que vem com 9 oz, 75% de algodão, 21% poliéster, 11% viscose e 2% elastano.

A Canatiba também apresenta oito bases Duo Core – tecidos elásticos com alta recuperação. É o caso do Balada Duo Core Eko, um tecido PT com 9 oz, 80% algodão, 13% Tencel, 5% elasto múltiéster e 2% elastano. Além da família Yasbek, com duas cores, peso de 11,5 oz, 79% algodão, 16% Tencel, 3% elasto múltiéster e 2% elastano.

No Trio Core, o stretch chega a 70% em tecidos de até 12 oz. Entre os lançamentos estão o Meteoro Old black com 9,5 oz e o Modena Triocore com 9 oz, com 3 fios elásticos recobertos. O Alepo DEMAX vem com 9 oz, 97% algodão e 3% elastano, elaborado com um novo polímero que proporciona grande alongamento com compressão moderada e power de 80% de stretch, além da largura de 1,4 metros, possibilita diferentes lavagens.

O grupo Megaflex reúne tecidos elastizados que proporcionam conforto nas mais diversas formas e peças em denim, sempre acompanhando e dando liberdade aos movimentos.

A tecelagem apresenta uma série de bases denim com 98% de algodão e 2% de elastano, larguras acima de 1,5 metros e ótima relação custo-benefício. Entre elas, o Impacto de visual vintage, Jhonis com ring proeminente e longos e aspecto moderno, Faisal, Desquared em um tom escuro e ring longo no urdume, e Rakan Denim, cada qual com efeitos novos e características únicas.

Seguindo a tendência de conforto total, o denim malha ganha maior destaque. Entre os lançamentos estão o Jogger com 10 oz, 98% de algodão e 2% de elastano, 1,58 metros de largura e visual de um autêntico denim com performance de malha, e o Home Office PT com 9 oz, 89% algodão, 9% Tencel e 2% elastano.

Na linha Éko, estão os artigos produzidos através de processos ecologicamente responsáveis e que tem na sua composição um mix de fibras sustentáveis, recicladas e certificadas. Entre os lançamentos, surge o Madruga Streech Éko com tingimento ecológico, livre de anilina cor intensa e brilho. A matéria-prima tem as certificações BCI e Ecotex. Este denim pode ser lavado mais rapidamente, levando a sustentabilidade para todas as fases da sua cadeia produtiva.

O Maxskin Nevada vem com peso de 6,5 oz, em 74% tencel, 33% algodão e 3% elastano, tecido de extrema fluidez e toque macio que lembra um veludo e a linha Contágio com 9,5 oz, 73% algodão, 25% tencel, 2% elastano e 1,72 metros de largura.

Para camisaria, o Oásis com 5,5 oz e o Inspira Maxskin são tecidos 100% Tencel, com acabamento maquinetado. Entre outras opções, também com Tencel na composição, estão o Florence Maxskin com 7,5 oz e o Reciclo Heavy com 6,5 oz. Outra novidade é o Mix Linho com 6,5 oz, 66 % algodão, 26% viscose e 11% linho, visual rústico e toque excelente. Já o Baguta Tie Dye surge com a estampa queridinha da estação, onde se revela mais ainda em lavanderia.

Na linha de PT maquinetados, a Canatiba apresenta várias bases diferentes. É o caso do Tarantino Premium Stretch com trama marcada, do Areia Branca PT, e do Bandeiras Premium Stretch, entre outros. A maior parte dessas bases chega com composição de 98% algodão e 2% de elastano, com gramaturas entre 7 e 8 oz.

As novidades também reúnem tecidos resinados, como o New Mirror Stretch com 7,5 oz, 71% algodão, 26% poliéster e 2% elastano com toque macio e maior elasticidade disponível em quatro cores, e o Splendido, com peso de 8,5 oz, 65% poliéster, 21% viscose e 4% elastano.

No colour denim, tecidos coloridos no urdume, a Canatiba traz o Zambia no preto e o Atacama no Ocre, ambos com 9 oz (98% de algodão e 2% de elastano). Há ainda o Nepal no tom oliva, em 79% algodão, 19% poliéster e 2% elastano.

Alguns best sellers foram desenvolvidos com novas cores, atendendo a pedidos dos clientes Canatiba. É o caso do Adele (agora em dark duo core), Sarkozy (dark denim), Shakira Éko Hiperflex (em puro índigo livre de anilina), Bereta e Fábrica Cananéia (ambos Duo Core dark denim).

Tendências

Durante o evento, a consultora de moda Bia Aidar apontou as principais apostas pesquisadas em campanhas e editoriais de moda. Entre as cores, apareceram o verde amarelado, laranja outonal mais radiante, vermelho vivo, classic blue, verdes, tijolo queimado, roxo, auzl intenso, rosa suave, marrom com aspecto rústico, off White suave, cinza sólido e verde militar.

Para o segmento feminino os tops bralettes continuam em alta tanto para o mercado jovem quanto para o contemporâneo, modificando somente o modo de usar, como em sobreposições de camisas ou t-shirts. Eles podem vir com babados, recortes arredondados, desfiados ou estampados.

A valorização da parte de cima ganha força com o home office e reuniões virtuais, portanto é hora de investir em ombros marcados, volumes, entre outros detalhes e aplicações.

tie dye é uma febre que promete continuar por algumas estações, podendo ser valorizado em diferentes formas e tecidos. As jaquetas passeiam entre os modelos workwear com bolsos aparentes até peças com efeitos de matelassê e, volumes nas mangas. Os blazers surgem acinturados, com costuras contrastantes ou modelos desestruturados e confortáveis.

Bermudas e shorts surgem com a cintura no lugar, e podem vir com detalhes de pregas, cinto do próprio tecido, com desbotes ou aspecto de alfaiataria. O estilo clochard vem crescendo com amarrações e bolsos laterais.

As minissaias ganham fechamento transpassado, cara de alfaiataria, contrastes de costuras e babados. Há ainda detalhes de assimetrias e botões deslocados. Toques esportivos fazem sucesso nas saias mídias que ainda ganham recortes frontais.

Entre as calças, destaque para a skinny com zíper frontal, mix de lavagens e recortes. O shape slim ganha vinco marcado e abotoamento duplo. Os modelos retos surgem com pregas, fendas e aberturas na barra. A tappered pode vir com detalhes de zíper na lateral, pregas ou recorte arredondado. Já a flare, ganha vincos e estilo mais clássico.

A wide ainda continua em alta e ganha detalhes trançados e, tons contrastantes. A baloon ou slouchy vem com cintura alta e maior volume nas pernas. As utilitárias ganham toques de alfaiataria ou contraste de cor e elástico na cintura. As joggers ganham o máximo de conforto em tecidos como tencel, com cordões e elásticos.

Os vestidos surgem com volumes nas mangas, com pregas ou plissados ou ainda no estilo utilitário, assimétricos e com babados.

Para o segmento masculino, as camisas ganham aspecto minimalista com fibras naturais, tecidos tecnológicos, estilo utilitário ou modelagem slim. As jaquetas surgem com mistura de tecidos e texturas e os moletons fazem sucesso com detalhes diferenciados como golas, cadarços e bolsos frontais.

Entre as calças, destaque para o aspecto vintage e efeitos como puídos, reservas de cor, além de detalhes de patchs, aspecto de couro, zíper e reguladores. As joggers fazem sucesso no tie dye, com costuras contrastantes cadarços e sanfonado na barra. A tappered ganha aspecto upcycling ou utilitário. Já a relaxed pode ser vista com toque workwear, reservas de cor patches conquistados em lavanderia e cerzidos.

Entre os editoriais, destaque para o conceito western, mais rústico e simples, looks no total denim com aspecto de couro, calças slouchy usadas com botas, wide no veludo cotelê. As parkas transmitem sensação de aconchego e proteção e podem ser usadas tanto em casa quanto na rua. E as calças amplas ganham pregas e cintura no lugar. Camisas podem ser trabalhadas no tie dye e a alfaiataria continua no estilo no gender.

Fonte: Vanessa de Castro | Fotos: Divulgação