David Bowie on denim


Do cabelo ao ritmo, do make ao conteúdo da letra, do self-marketing para a atitude concreta. David Bowie foi uma celebridade como poucas, cuja classificação supera o patamar da Influência, transcendendo ao valor da mais genuína inspiração. “We can be heroes, just for one day”: podemos ser heróis, apenas por um único dia. Mas todavia, contudo e entretanto; de acordo com seu legado, podemos vestir moda colocando um grito de autenticidade junto com o visual da época em que vivemos.

Para a moda, essa foi a maior herança deixada pelo astro: para além do cabelo laranja, do visual new wave, dos volumes inusitados, maiôs assimétricos, listrados hipnóticos e motivos psicodélicos. Bowie antecipou o senso de exclusividade, ao demonstrar que é possível vestir o espírito de um determinado tempo, ao mesmo tempo em que se discorda dele. Desta forma, resultou a sobreposição do direito à diferenciação pela liberdade de expressão, à predominância de uma aparência comum.

Para homenagear o incomparável acervo de referências deixado por Bowie, garimpamos lindas fotos de diversas fases de sua carreira, cuja fundamentação do look foi baseada no denim como informação principal.

Felizmente o jeans fez parte da rica e elegante indumentária do camaleão. É possível encontrar todas as transformações e estilos do segmento através das décadas, magistralmente vestidos no ícone. Muito antes da proposta double denim chegar às passarelas, no embalo de Ziggy Stardust, o astro presenteou a história da moda com belos registros do look calça flare com camisa denim. Nesta mesma fase marcada pela androginia, Bowie garantiu ao acervo de inspirações para o menswear a possibilidade da migração de alguns elementos femininos, para as coleções masculinas: recurso este, que vem se popularizando nas passarelas há diversas temporadas.

O visual worker, transformando pela pegada punk dos boots amarrados, jeans com barras enroladas e postura de contravenção, também consta no painel de imagens emblemáticas deixadas pelo artista. Bowie vestiu combos formados por tuxedos em cores singulares: hoje vemos tais interpretações nas passarelas colocadas como uma sacada comercial, inclusive nas vers_ões de tingimentos e alquimias coloridas das marcas de jeans. Porém com o astro, foi um grande salto de libertação no estilo pessoal.

Quando chegou na maturidade, Bowie elevou ainda mais as produções: o astro diversas vezes foi flagrado em Nova York vestindo jeans: tanto na vida quotidiana quanto em seus concertos. Nesta fase, o fit skinny e o tom black e grafite predominaram no visual refinado de suas produções, seja nas ruas de Nova Iorque, através das associações com boinas, colarinhos e sapatênis; seja nas performances de palco, marcadas por elegantes portes superiores formados por camadas de coletes em alfaiataria, gravatas de fraque, camurça, couro e camisas com acabamento moderno.

Em seu penúltimo álbum, o hit Valentine’s Day esclarece como um simples jeans e camisa branca de colarinho, podem alcançar atitude perversa e atitude rocker. Em entrevistas o astro diversas vezes declarou, que iria continuar compondo e cantando até o fim. E de fato, foi o que fez, pois felizmente deixou de consolo aos fãs um disco gravado, lançado uma semana antes de sua morte: Blackstar. E da mesmo forma, mostrou que é possível vestir jeans com irreverência em todas as décadas e gerações, igualmente, até o fim – preservando o estilo pessoal até o mais derradeiro suspiro.

Por: Vivian David | Imagens e Vídeos: Reprodução