Demanda por jeans é crescente nas feiras de Marrocos

Cerca de 135 expositores da cadeia têxtil vindos de manufaturas de roupas do Mediterrâneo e Marrocos, estiveram presentes neste ano nas feiras Maroc in Mode e Maroc Sourcing, entre os dias 24 e 25 de Outubro, no Centro Internacional de Exposições de Casablanca. Os eventos, são dedicados à subcontratação e à oferta de tecidos, matérias-primas e acessórios para a indústria têxtil e do vestuário.



A feira, organizada pela Amith – Associação Marroquina das Indústrias Têxtil e de Vestuário – em colaboração com a Maroc Export, trouxe um agrupamento influente para a moda. Entre os varejistas participantes, estiveram marcas como Stefanelli, Simonetta, Antica Sartoria, a italiana Pinko, Escorpion da Espanha, Topshop, e Mustang da Alemanha, entre outras referências do mercado fashion global. Nesta edição, a feira de negócios apresentou também um espaço para as marcas locais Marroquinas, intitulado Private Label. Os maiores grupos de visitantes vieram da França, e pela primeira vez, marcas da Rússia estiveram presentes no evento.



Varejistas de moda e manufaturas encontraram um extenso sortimentos de produtos têxteis da produção local, nos segmentos feminino, masculino, infantil, jeans, e moda praia, assim como coleções de marcas próprias, e produções sustentáveis de coleções ecológicas. O jeans figurou como tópico principal da feira. Muitos denins inovadores foram apresentados: “Jeans e peças casuais tingidas e beneficiadas estão encontrando demanda crescente no Marrocos.”, comenta Christiane Schultz, consultora de exportações da Amith. Em acréscimo ao ambiente fashion favorável, a razão pela forte demanda pelo jeans está primordialmente na sustentabilidade de sua produção: não se praticam mais perigosos jatos de areia, e uma significativa redução no consumo de água foi alcançada através da adoção das lavagens com ozônio e outras técnicas que dispensam a utilização da água.



A indústria têxtil e de roupas de Marrocos tem boa reputação. Mohammed Tazi, diretor executivo da Amith, explica “Como consequência dos crescentes custos de produção na Ásia, o parque têxtil de Marrocos vem se tornando cada vez mais o foco dos produtores de moda coo uma opção segura e confortável.” Trânsito livre para entregas na Europa, curtas distâncias envolvidas no trânsito, assim como métodos de produção sustentáveis são algumas vantagens que tornam Marrocos o quinto fornecedor de produtos mais importante para o mercado Europeu. Em acréscimo à França, Espanha e Reino Unido, Itália e Alemanha são agora um dos maiores clientes do Marrocos. “Nosso objetivo é aumentar nossa importância global como localização para a indústria têxtil e de roupas,” comenta Mohamed Tazi.



Devido aos recentes e dramáticos acidentes ocorridos nos territórios de produção do extremo oriente, aspectos de cunho social e exigências de segurança no setor de produção têxtil estão vindo à tona para se tornar importantes propostas colocadas aos clientes implicando na adesão ou rejeição para com uma determinada marca. A indústria têxtil de Marrocos pode exigir cuidados para os trabalhadores do setor têxtil. Segundo Mohamed Tazi “Os 200.000 trabalhadores da indústria têxtil tem seguros sociais e de saúde, a remuneração mínima atual é de 260 Euros mensais. Também a demanda por certificações internacionais reconhecidas está aumentando. Muitas companhias de Marrocos já estão devidamente certificadas e suas produções atendem às exigências sociais e de sustentabilidade.”

REDAÇÃO / FOTOS: REPRODUÇÃO