Denim em versão clássica e soberba por Balmain

Cardigans com o clássico padrão pied-de-poule, preto e branco, e uma interpretação clássica e elaborada para o denim, desvinculando o material do seu apelo street para uma proposta mais madura. O desfile da coleção de primavera/verão 2014 (2015 brasileiro) Balmain adentrou o visual índigo na passarela do Paris Fashion Week, mostrando um grande foco no material, e ao mesmo tempo, plena liberdade para com os discursos associados ao blue denim ao longo de sua trajetória. Como bagagem considerada por Olivier Rousteing, consta apenas uma vontade declarada do diretor criativo da marca de tornar suas criações, mais reais, esportivas e casuais.


O índigo foi proposto extremamente trabalhado, formando aparências estampadas por processos únicos e artesanais. Além dos entrelaçamentos e colagens que resultaram em estampas clássicas, Olivier trabalhou bastante o matelassê, incluiu correntes e botões volumosos nas construções das peças. A palavra “volume” imperou como lógica principal, tanto nos trabalhos que reformularam a superfície índigo, quanto nas formas.


O resultado foi uma versão madura para o denim, habilitada para o dia com um toque de soberba, típica da alta moda, nas peças propostas. Além do denim, Balmain trouxe bons diálogos para o visual índigo através das blusas de renda elitizadas pelo “branquinho chic”. Entre as peças chave: cardigans volumosos, jaquetas bomber, saias lápis e com barra estilo “rabo de peixe” constaram como propostas principais. E o grande destaque, notável na coleção, foi dado pelos macacões – peça símbolo do lifestyle despojado – que ganhou versão de elite através de Balmain, interpretado em materiais como couro e risca de giz.


VIVIAN DAVID / FOTOS: REPRODUÇÃO