Estudo indica que indústria da moda pode ser sustentável em 16 anos

De acordo com relatório “O Futuro da Sustentabilidade na Indústria da Moda”, a indústria da moda pode se tornar sustentável em 16 anos. O estudo, encomendado pelo Instituto C&A, aponta ainda 14 estratégias para alcançar este futuro eco-friendly, avaliando cada uma delas quanto ao seu impacto potencial e prazo no qual ela poderia se tornar efetiva e as classifica por ordem de prioridade estratégica.

Todos as estratégias apontadas pelo estudo são consideradas realizáveis até 2035, sendo 2/3 delas tendo a possibilidade de se tornarem predominantes em uma década – desde que sejam adotadas medidas radicais.

“A mudança vai exigir um enorme esforço e cooperação das marcas, do governo dos decisores políticos e, até mesmo, dos consumidores. Mas, diante do contexto de crescente preocupação com questões ambientais e de justiça social, mudanças positivas podem ocorrer muito rapidamente. Este é um apelo esperançoso de tomada ação para que a indústria avance e faça acontecer”, disse Lee Alexander Risby, diretor global de Avaliação Social de Impacto do Instituto C&A.

Vale destacar que “O Futuro da Sustentabilidade na Indústria da Moda” foi realizado pela Future Impacts e 4CF, utilizando a metodologia Delphi. A Delphi é uma abordagem de pesquisa desenvolvida para entender melhor o futuro, reunindo especialistas cuidadosamente selecionados para possibilitar o diálogo e o debate.

Nesta mesma linha, outra pesquisa inédita mostrou que, entre as indústrias e empresas de serviços, 73% tem metas de sustentabilidade. O levantamento contou com a participação de 80 empresas dos setores da Indústria, Infraestrutura e Serviços no Brasil.

O estudo foi desenvolvido durante o primeiro semestre deste ano pela Allonda Ambiental, empresa de engenharia com foco em soluções ambientais sustentáveis. Nele, a intenção foi saber quais são as prioridades das empresas para questões como aproveitamento por completo de matéria-prima, uso e reúso de recursos naturais, adequação à legislação e consumo de energia.

Os dados apontam que projetos ambientais ligados ao processo produtivo são considerados estratégicos em 46% das empresas; 35% tem o meio ambiente em projetos pontuais e os demais 19% em demandas emergenciais. Já a tecnologia 4.0 é usada para monitoramento do processo produtivo por 70% das Indústrias, 38% das empresas de Serviços e 24% das empresas de Infraestrutura.

Fonte: Redação | Foto: Reprodução