Evento revela estratégias de cases de sucesso

Na manhã da última quarta-feira (18.05), aconteceu em São Paulo a segunda edição do seminário Construindo Marcas de Sucesso na Moda, evento organizado pela Folha de São Paulo com o objetivo de discutir as novas relações do segmento e revelar, através das histórias de grandes nomes do mercado, o segredo do sucesso.


Dando início ao ciclo de palestras, a consultora de moda Gloria Kalil contou um pouquinho de como começou sua carreira na indústria da moda, no final dos anos 70, na editora Abril. Após passar pela fábrica de tecidos do marido, Gloria se dedicou à Fiorucci, marca italiana famosa na década de 80, que a jornalista trouxe ao Brasil.


Seu grande produto, o portal Chic, teve origem a partir dos livros sobre comportamento, lançados por Gloria pela editora Senac. “Uma marca não é só um nome acertado. É um conjunto de características que dá identidade ao produto. São os valores que o envolvem. A palavra Chic sozinha não transfere ao produto as qualidades que ele tem”, afirma.


A consultora comentou também o fato das marcas de peso serem ainda maiores que seus criadores. “A Christian Dior, por exemplo. As pessoas desaparecem (no caso, o criador que dá nome à grife), mas as marcas continuam vivas”. Em relação ao incidente que a Dior passou há alguns meses, com as declarações anti-semitas de seu ex-estilista, John Galliano, Gloria acha que a maison sobreviverá ilesa, mas o mesmo não acontecerá com o estilista: “A marca Dior vai além do John Galliano, tanto é que eles tomaram providências imediatas (a demissão do designer). Já Galliano terá mais problemas”.


A jornalista abordou ainda temas como o futuro dos profissionais que vão chegar ao mercado, no qual o talento será fator determinante. Além de eleger o consumidor como o grande mestre de toda a cadeia, exaltando que este não escolhe mais produto, e sim marcas.

Brandsclub, H.Stern, Siberian, Crawford e Renner. Qual o segredo do sucesso?


Em seguida, quatro grandes líderes de empresas que se destacam no mercado fashion foram atração do seminário. Paulo Humberg, CEO do Brandsclub contou que o Brasil é o maior consumidor de e-commerce da América Latina. O portal vende na rede, durante um tempo limitado, produtos de marcas de moda como Daslu e Guess , com até 70% de desconto. O grande mérito do site de e-commercel é ser uma boa ideia para fazer a mercadoria encalhada nos estoques das marcas girar de maneira rápida.

O embaixador da H.Stern, Christian Hallot, relatou como nasceu a marca, no ano de 1.945, quando Han Stern decide valorizar as pedras brasileiras, até então consideradas semipreciosas. Atualmente, a joalheria tem prestígio internacional, vide atrizes como a bela Angelina Jolie desfilando as peças da marca pelo red carpet de grandes eventos. Dentre os diferenciais da empresa, Hallot destaca ferramentas de marketing (como um guided tour pela fábrica, que acontece desde 1.946) e principalmente a valorização do design das peças, que não seguem tendências, mas as criam.

É pelo amor de sua mãe à moda que o empresário Dácio Oliveira, CEO da agora holding VGB – Valdac Global Brands, resolveu se arriscar no mercado de confecções. Criador e detentor das marcas Siberian e Crawford, Oliveira mostra que o segredo para seu sucesso é não parar nunca. Ambas as marcas já somam quase 100 lojas, mas a holding prepara-se para lançar um projeto inovador e cheio de tecnologia: a Memove. O novo empreendimento trata-se de uma rede de fast fashion nas linhas das famosas internacionais (Zara, Topshop, H&M…) que aposta na venda de lifestyle e no uso de aparatos tecnológicos para se diferenciar no cenário. O consumidor poderá, por exemplo, visualizar preços e outras peças que poderia gostar a partir de um tablet localizado nos provadores e via o equipamento solicitar que um vendedor traga uma ou mais peças escolhidas.

Já o presidente da gigante Renner, José Galló, apontou que redefinir estratégias foi um ponto essencial para o crescimento do magazine. “Nós queríamos nos tornar cúmplices da mulher moderna”, afirma. Dentre as inovações da marca que garantiram destaque no mercado estão os diferentes estilos de produtos (divididos não por idade ou classe social, mas sim estilo de vida), e a facilitação de crédito ao consumidor, possibilitada com a criação do cartão da empresa – além de uma melhoria nos pontos de venda e da padronização das lojas. Atualmente a Renner possui 134 lojas e um faturamento de R$ 2,75 bilhões no ano, que deve aumentar em breve, uma vez que Galló anunciou a compra das lojas da rede Camicado.

Para saber o que aconteceu no segundo dia de seminário, clique aqui.

MARCELA LEONE | FOTOS: EQUIPE GUIA JEANSWEAR