Feira de têxteis sustentáveis Innatex envia sinais positivos para o mercado

Realizar uma feira de moda nas circunstancias atuais é uma verdadeira especialidade. Não se trata mais de simplesmente definir registros de visitantes e número de expositores. Atualmente, envolve também o resgate de experiências antes corriqueiras, como encontrar as pessoas face a face novamente, tocar os tecidos, sentir as coleções e descobrir novas marcas.

No entorno de todas estas questões, o temor de que a feira possa ser cancelada em um prazo de tempo muito próximo de sua data prevista, ronda todo o período da expectativa até os mais derradeiros minutos de sua véspera.

Contudo, alguns eventos tem se arriscado nesse território incerto, e obtido êxito nesse desafio. Entre eles está a Innatex, feira internacional de têxteis sustentáveis que cumpriu sua 47º edição entre os dias 5 e 7 de setembro, em formato presencial, na cidade de Hofheim am Taunus, Alemanha.

A estratégia adotada para que a Innatex acontecesse de forma segura, envolveu um trabalho de cooperação muito próximo entre os organizadores da feira e as autoridades sanitárias locais. Com isso, apesar dos maus presságios que transcorreram todo o período mencionado, a feira conseguiu enviar um sinal positivo para a indústria e seguir seu calendário planejado, com apenas 5 semanas de diferença da sua data tradicional.

Em termos de dimensões, o evento teve uma redução de cerca de 20% no número de marcas expostas nos corredores do Rhein-Main Center em comparação às edições anteriores. Um dos halls, desistiu completamente de participar. Como adaptação, o evento ocupou um único hall de exposição em dois níveis, sem visitantes internacionais devido às restrições de viagens.

O reaproveitamento de materiais reciclados e o visual look reformulado do upcycling foram as tendências mais destacadas pela Innatex. Tal direção foi mencionada em produtos como mochilas feitas de garrafas PET, proposta da Gotbag, até a moda praia feita com 81% de plástico descartado, produto da Boochen.

Ainda no mix eco-friendly do evento, destaque para as roupas com estilo boêmio da Souldaze, desenvolvidas com base em formas variadas de reciclagem. No estilo da marca, a alfaiataria foi extremamente dissociada do discurso formal ao coordenar a proposta confortável da calça de moletom com o blazer oversized. Junto à combinação singular, a grife jogou com padrões listrados e xadrezes que ficaram no limite entre o visual pijama e o alinhamento trivial.

A tendência da reciclagem tomou forma no jeans através da marca alemã Blueloop Originals, que se diferenciou pelo conceito consistente de reciclagem apresentado, envolvendo seus próprios materiais como o Denimcel. A marca pretende tornar a reciclagem do jeans tão comum quanto a do vidro em sua produção.

Ainda sobre as tendências para o Verão 2021 internacional (equivalente ao 2022 brasileiro), o denim jogou em modo seguro assumindo na maioria de suas aparições, o formato five pockets com lavagem vintage. No entanto, a pegada fashionista do material foi dada pelas modelagens de pantalona relaxada propostas para as composições rígidas do tecido.

Estampas de animais remetendo ao resgate da liberdade e refletindo aspirações de vida natural e introspecção foram onipresentes nas marcas. Por fim, na cartela de cores destaque para o branco sujinho, com efeitos amassados, que contemplou a aspiração pela luminosidade da estação mantendo a coerência entre uma cartela de cores natural, mais coerente com a proposta eco-friendly da feira.

Fonte: Vivian David | Fotos: Reprodução