Fenin Fashion Gramado abrange tendências e cultura data-driven

Acabou o turismo. Na mais recente edição da Fenin Fashion Outono/Inverno 2020 Gramado, que aconteceu entre os dias 28 e 31 de janeiro, o assunto foi exclusivamente o que o consumidor de moda vai vestir na próxima temporada de frio. De acordo com as marcas de jeans presentes no evento, a dúvida implica em um mix extremamente trabalhado, embelezado por aviamentos e formado não apenas por uma, mas pelas quatro estações.

Desfile da Pacifc Blue, durante o Fenin Fashion Gramado

Da pele à saia upcycle, todas as formações foram contempladas, tanto pelas araras das coleções quanto pelos desfiles, que foram apresentados no segundo dia do evento, na rua coberta – um dos destaques desta edição.

Respondendo ao contexto de que vivemos tempos onde o ócio é coisa rara, e o fashion business precisa ser feito com estratégia e atenção. A tradicional feira da indústria da moda conhecida por unir negócios e lazer na serra gaúcha redefiniu seu formato.

Desta vez, a curadoria de marcas de vários segmentos da indústria têxtil e acessórios, formada por 300 expositores e mais de 800 marcas, dividiu as atenções com o espaço HUB i.NOVA FENIN, dedicado à quatorze startups convidadas, pertencentes à AGS – Associação Gaúcha de Startups.

Ao longo do evento, foram realizadas apresentações pontuais no palco FENIN, onde cada uma delas compartilhou com os visitantes o seu “pitch”. A iniciativa refletiu o quanto a necessidade de inovação transcende o chão de fábrica e se impõe também para o varejo. Em relação aos modelos de negócios convocados a apresentar suas plataformas, destaque para as startups facilitadoras da transição para a cultura data-driven (cultura organizacional que coloca os dados como centro das decisões).

Entre elas, a BIMachine converte a tecnologia em painéis e apresentações, enquanto a Iris adota para capturar históricos comportamentais e gerar campanhas de marketing. Já a Kiskadi usa o data-driven para formação de carteiras de clientes e programas de pontuação, diferente da AZ Leads, que automatiza o trabalho do time comercial.

Há ainda a Suiteshare, criada para a gestão dos canais de atendimento via WhatsApp, e os games de vendas voltados para a melhoria da performance do varejo oferecidos pela Lemonapp. A tendência da valorização do áudio foi atendida pela presença da Shasta, focada no desenvolvimento de experiências sonoras para o ponto de venda e desenvolvimento de podcasts.

Ainda entre as startups expositoras constaram a Checklist Fácil, a Conciflex, a plataforma idealizada para investidores MEEmpresta, e as startups Lydia, Try Out, Kolmeiao e Smart Composer VR, que usa modelagem 3D e realidade virtual & aumentada para oferecer montagens interativas de catálogos virtuais.

Espaço HUB i.NOVA FENIN

Os corredores menos movimentados em comparação às edições anteriores, na contrapartida, se converteram em R$ 450 milhões em volume de vendas. Fato que confirmou o depoimento de muitos expositores que validaram a preferência por visitas qualitativas em detrimento das quantitativas.

“A feira mudou, tem menos gente passeando e mais gente comprando […] Quem veio ao evento está de fato interessado em fazer negócios,” comentou Hadi Hamade, CEO da Consciência Jeans, um dos nomes importantes para o nosso setor que integraram a curadoria de marcas reunidas pelo evento.

No mix de coleções referenciais da moda denim da nossa indústria que integraram a Fenin Fashion Outono/Inverno 2020 Gramado, constaram os novos expositores Lumini Jeans, Hapiness Jeans e as veteranas Black Jeans, Ton Âge, Sawary, Nicoboco, Consciência Jeans, Sallo, Crocker Jeans, Dixie Jeans e Gangster, além de Pacific Blue e Bula, entre outros.

Refletindo as tendências jeanswear do varejo para a próxima temporada de frio os fits mom e clochard representaram buscas expressivas dos lojistas, sendo comercializados por preços que variaram de R$ 49,90 a R$ 89,00, dependendo da qualidade e da procedência da matéria prima empregada nos modelos.

O jeans em visual jogger com estética cargo utilitária se sobressaiu como uma variedade numerosa nas araras, e o black denim foi o tom que multiplicou essas modelagens em escolhas de moda mais urbanas e moderninhas. Já na parte superior do look, destaque para as jaquetas com traseira decorada por frases com efeito “instagramável”.

Incluindo as demais estações no mesmo closet pensado para o frio, a maioria das marcas reservou sua criatividade maior às saias midi e longas com jeitão de modelo reaproveitado e barras irregulares e franjadas. Também investiram em modelos leves de denim com misturas de Tencel e Liocel, e jaquetas com comprimento cropped. Já no menswear, o movimento é de ajuste às medidas, e transmissão de qualidade pelo toque do material, além de um fashionismo cada vez maior nos modelos.

Fonte: Vivian David | Fotos: Equipe Guia JeansWear e Liane Neves