Formas amplas e moda praia no Verão e no Inverno

A Iódice que abriu o terceiro dia de desfiles do SPFW está a cada coleção mais madura, deixando de lado os vestidinhos esvoaçantes e sensuais e trazendo uma moda contemporânea que viaja pelo mundo e traz novas referências. Aqui a mulher da marca foi parar na Indía com toda sua rica cultura em bordados com mini espelhinhos, ilhoses, veludos e é claro, o clima esportivo em parkas com tecidos tecnológicos. As formas mais uma vez surgem amplas, além das amarrações, tramas e estampas de cashmere. As tonalidades refletem os temperos daquela região incluindo os vermelhos, terrosos e o preto.


A moda praia da Água de Coco por Liana Thomaz gosta de exaltar a exuberante fauna e flora e, foi exatamente essa a inspiração que veio da República da Maldivas, no Oceano Índico em lindos quimonos, kaftans e seus biquínis “comportados”, perfeitos para os passeios de lanchas pelas maravilhosas praias do mundo. As muitas estampas não podem faltar como folhagens, flores e frutas, além dos grafismos com toques sportswear. Destaque para as jaquetinhas bomber, bodies, vestidos longos e os conjuntinhos de tops e calças croppeds que saem da praia diretamente para as festas noturnas. Já o beachwear de Amir Slama buscou inspiração entre os anos 50 e 80 com a coleção “Tropical Jungle” seguindo um estilo sexy e fetichista com microbiquinis, maiôs cavados, transparências com paetês e estampa de oncinhas em tons vivos. Uma linha mais clássica e sofisticada surge no cetim no branco e champagne.


Desta vez Ronaldo Fraga saiu do QG do SPFW e aportou no Teatro São Pedro, nada mais inspiracional para uma coleção que buscou referências nas bonecas de papel com um único modelo de vestido onde somente as estampas e elementos decorativos mudavam e, todos apresentandos por transexuais. Esse foi o desfile-manifesto do estilista que além de trabalhar muito bem a moda, fala sempre de questões sociais. Entre os detalhes estão as mangas bufantes, babados, drapeados e padronagens que imitam rendas, flores e laços.


Vitorino Campos trabalha muito bem o prêt-à-porter acessível repleto de tecidos nobres e, também aposta nas formas amplas em looks unissex valorizando o conforto com toques modernos. Seu Inverno vem com xadrezes maiores, o brilho do lurex, detalhes em ilhoses, alfaiataria reconstruída e lã em casacos e calças. Já a Osklen segue na pegada sustentável, cool e despojada em looks casuais e bem práticos. Seu Alto Verão 17 vem inspirado nos balneários chiques e tem tudo a ver com seu lifestyle. Destaque para as formas amplas e fluídas, cores quentes e estampas como as palmeiras, margaridas e listras em formas minimalistas e muito bem construídas.

VANESSA DE CASTRO | FOTOS: AGÊNCIA FOTOSITE